A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 19 de Agosto de 2018

06/09/2017 15:13

Na Capital, 53.486 não conseguem pagar as dívidas, recorde desde 2010

Número, o maior da série história, representa alta de 54% em um ano

Osvaldo Júnior
Centro da Capita; comércio sofre com alta inadimplência (Foto: Arquivo)Centro da Capita; comércio sofre com alta inadimplência (Foto: Arquivo)

Atrasar o pagamento de contas é ruim. Não conseguir pagá-las é muito pior. E é nesta situação que se encontram 53.486 campo-grandenses de acordo com a Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor), divulgada nesta quarta-feira (06) pela Fecomércio-MS.

O número de pessoas que não têm dinheiro para pagar suas dívidas é o maior de toda série histórica do estudo, iniciado em janeiro de 2010. Isso corresponde, até agosto (mês de referência do último dado) a 92 meses.

Em um ano, o universo dos sem condições de pagar dívidas engrossou em 18.780 pessoas. A disparada foi de 54,11% – em agosto do ano passado, eram 34.501 consumidores.

Na série histórica da Fecomércio, o recorde havia sido, até então, janeiro de 2010, quando 53.501 pessoas não conseguiam pagar seus débitos. Para dimensionar a grandeza deste número, pode-se compará-lo com a população dos municípios sul-mato-grossenses.

Apenas cinco cidades (Campo Grande, Dourados, Três Lagoas, Corumbá e Ponta Porã) têm população superior à quantidade de consumidores da Capital sem dinheiro para quitar suas dívidas.

Inadimplência e dívida – O estudo também mostra que havia, em agosto, 106.030 inadimplentes (com dívidas em atraso) na Capital. Esse número é menor que o de julho (108.575), mas, na comparação com agosto de 2016 (86.888), o aumento foi de 22,03%.

Situação semelhante ocorre com os números de endividamento (compras a prazo, mas não atrasadas). São 175.799 pessoas endividadas, abaixo dos 179.713 de julho, mas superior aos 166.672 de agosto do ano passado.

A maior parte das dívidas ainda corresponde ao cartão de crédito (62,4%). Em seguida, estão carnês (27,7%), crédito pessoal (12,8%), financiamento de veículos (9,7%), de casa (7,9%) e crédito consignado (5,6%). Os demais tipos de dívidas representam menos de 5%.

Aumento de benefícios a produtor rural pode ser vetado, diz secretário
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse hoje (17) que o governo federal estuda vetar a ampliação de benefícios a produtores rurais ...
Dólar fecha a semana cotado a R$ 3,91, acumulando alta de 1,31%
A moeda norte-americana encerrou hoje novamente (17) em alta de 0,24%, cotada a R$ 3,9147 na venda, fechando uma série de três pregões consecutivos d...
Hotel em Orlando ganha tema Jurassic World
Sempre se reinventando, Orlando não mede gastos para investir seja em novas atrações nos parques ou em estrutura e serviços para os turistas. Agora é...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions