A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

12/01/2017 13:37

Novas regras devem ajudar a identificar revendas clandestinas de GLP

Renata Volpe Haddad
Alteração nas regras determina dois tipos de revendas: exclusiva ou independentes. (Foto: Arquivo/ Campo Grande News)Alteração nas regras determina dois tipos de revendas: exclusiva ou independentes. (Foto: Arquivo/ Campo Grande News)

O Diário Oficial da União determinou em dezembro, mudanças nas regras de venda de GLP, o gás de cozinha. Com isso, os tipos de revendas se estreitam e a partir de fevereiro serão apenas dois: independentes ou vinculadas. Com essa alteração, será mais fácil de identificar os revendedores clandestinos.

Quem afirma isso é o presidente do Sindicato do Gás de Mato Grosso do Sul, Vilson de Lima. "Os clandestinos não terão vínculo e com isso, serão identificados mais facilmente, devido ao preço do gás revendido que geralmente é abaixo do valor de mercado e acabará com essa concorrência desleal existente no mercado", alega.

Sobre a alteração nas regras, Lima explica que a publicação substitui outra resolução. "Antes, um revendedor identificava o local de trabalho com um tipo de marca, por exemplo, a Copagaz, mas vendia também outras marcas. Agora, isso mudou e ele tem que ter contrato exclusivo com uma companhia apenas".

Os empresários vinculados, conforme a publicação, poderão fazer o uso do nome e da marca em propagandas e uniformes e todo e qualquer risco apresentado também será de responsabilidade da companhia de gás e não somente da revenda.

Quem optar pela revenda independente, poderá ter contrato com quantas distribuidoras de gás, quiser. "Os independentes poderão estabelecer contrato com companhias que têm preços mais acessíveis no mercado, porém, não poderão comercializar o gás para revendas vinculadas, somente para consumidor final ou outro revendedor independente".

Ainda segundo o presidente, as mudanças beneficiam tanto os revendedores quanto os consumidores. "O empresário pode assinar um contrato com vínculo e o consumidor final terá a garantia de que está comprando um produto de qualidade e confiança".

As regras começam a valer no dia 31 de janeiro e serão fiscalizadas pela ANP (Agência Nacional do Petróleo) e pelas próprias companhias de gás.

*Matéria alterada às 07h50 para alteração de informações. 

 

Preço do gás de cozinha varia de R$ 56 a R$ 74, mostra Procon
O preço do gás de cozinha varia 32% em Dourados, a 233 km de Campo Grande. Pesquisa feita nesta quinta-feira pelo Procon em 23 estabelecimentos da ci...
Petrobras anuncia reajuste de até 5% no preço do gás de cozinha
A Petrobras comunicou ao mercado, nesta quinta-feira (3), novo reajuste no preço do GLP (gás liquefeito de petróleo, o gás de cozinha) vendido em bot...
Procon pesquisa preço do gás de cozinha e verifica aumento de 4,6%
O preço do gás de cozinha subiu em média 4,6% nos últimos meses em Dourados, segundo pesquisa feita ontem e divulgada nesta quinta-feira (3) pelo Pro...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions