A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017

29/08/2014 14:48

Novo salário mínimo é recebido com desânimo por trabalhadores

Liana Feitosa e Luciana Brasil
O comerciante Clayton Barbosa Nunes acredita que o problema inclui desaquecimento do mercado. (Foto: Marcelo Calazans)O comerciante Clayton Barbosa Nunes acredita que o problema inclui desaquecimento do mercado. (Foto: Marcelo Calazans)

Com um aumento de 8,8% em relação ao valor atual, o reajuste do salário mínimo, que valerá R$ 788,06 a partir de janeiro do próximo ano, não anima o trabalhador nas ruas. Mesmo indicando um ganho real de 2,3%, se confirmada a meta de inflação de 6,5%, projetada pelo Governo Federal, a reação é de desânimo com o valor e com o impacto na economia. 

"Quando aumenta o mínimo, aumenta tudo. Ou seja, não adianta nada. Esses 60 reais são um aumento tão pequeno que não representa nem 10% do salário", define o atendente de farmácia Gilnandson Conceição de Lima, de 22 anos, numa fala que resume o descrédito diante do reajuste.

A decepção de Gilnandson é a mesma da dona Severina Leme de Toledo, de 68 anos. Para ela, além de ver o preço dos produtos acompanharem qualquer aumento de salário, a sensação de ver tanto esforço não ser recompensado devidamente é ainda pior. "Não adianta nada, não tem pra quem reclamar", desabafa.

O universitário Ueslei Schmidt, de 28 anos, trabalha no setor de recursos humanos de um grande supermercado da capital e ganha pouco mais que um salário mínimo. Apesar de seus rendimentos não variarem quando há reajuste no mínimo, o estudante também considera a porcentagem de aumento muito baixa. "Quando uma pessoa é promovida aqui no supermercado, ela ganha pelo menos 100 reais a mais de salário. Ou seja, o aumento no mínimo é muito baixo", conclui.

Pagamento - Para quem é dono do próprio negócio, o aumento significa gastos a mais. "Faz diferença para o comerciante pagar esse valor a mais para o funcionário, mas é merecedor, afinal, também não é muito para eles. Mas do jeito que está o comércio, quem pretende contratar muito funcionário pode acabar querendo desistir", compartilha Maria Luciene da Silva Gonçalves, dona de uma loja de roupas no centro da Capital.

O também comerciante Clayton Barbosa Nunes, de 56 anos, acredita que o problema não se restringe ao tímido reajuste. Para ele, o mercado está desaquecido, por isso é mais difícil dar um descanso ao bolso. "Se as taxas não baixarem e não tiver um incentivo, muitos estabelecimentos comerciais vão acabar fechando", acredita.

Clayton tem outra loja, em outro ponto da cidade, e até o final do ano tinha a intenção de contratar funcionários para trabalharem no local. "Mas a gente fica preocupado (com os gastos), não sei se vou contratar. Além de tudo tem o aluguel. Esse é o mais complicado para pagar porque é muito caro", conta.

Ele traz produtos de Goiânia, capital de Goiás, para vender. "Pago R$ 17 reais de imposto por produto para trazer de Goiânia para Campo Grande. Chegando aqui, tem que pagar mais R$ 17 de inscrição estadual. Se você fizer as contas, estou trabalhando para o governo", finaliza.

O Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) faz, mensalmente, pesquisa dos valores da cesta básica de alimentos e compara com o salário mínimo. Com os valores de julho, que apontaram R$ 293,55 como o gasto para alimentar uma pessoa, os itens básicos da mesa do trabalhador consumiriam 37% do novo salário mínimo.

Sobrariam os outros 63% para dar conta das despesas de transporte, saúde, educação, e ainda lazer. Para o Dieese, o salário mínimo ideal do brasileiro superaria os R$ 2,8 mil, três vezes e meia o valor do salário mínimo para 2015.

Para Gilnandson, quando aumenta o mínimo, demais produtos também aumentam, enfraquecendo o benefício do reajuste. (Foto: Marcelo Calazans)Para Gilnandson, quando aumenta o mínimo, demais produtos também aumentam, enfraquecendo o benefício do reajuste. (Foto: Marcelo Calazans)

O também comerciante Clayton Barbosa Nunes, de 56 anos, acredita que o problema não se restringe ao tímido reajuste. Para ele, o mercado está desaquecido, por isso é mais difícil dar um descanso ao bolso. "Se as taxas não baixarem e não tiver um incentivo, muitos estabelecimentos comerciais vão acabar fechando", acredita.

Clayton tem outra loja, em outro ponto da cidade, e até o final do ano tinha a intenção de contratar funcionários para trabalharem no local. "Mas a gente fica preocupado (com os gastos), não sei se vou contratar. Além de tudo tem o aluguel. Esse é o mais complicado para pagar porque é muito caro", conta.

Ele traz produtos de Goiânia, capital de Goiás, para vender. "Pago R$ 17 reais de imposto por produto para trazer de Goiânia para Campo Grande. Chegando aqui, tem que pagar mais R$ 17 de inscrição estadual. Se você fizer as contas, estou trabalhando para o governo", finaliza.

O Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) faz, mensalmente, pesquisa dos valores da cesta básica de alimentos e compara com o salário mínimo. Com os valores de julho, que apontaram R$ 293,55 como o gasto para alimentar uma pessoa, os itens básicos da mesa do trabalhador consumiriam 37% do novo salário mínimo. Sobrariam os outros 63% para dar conta das despesas de transporte, saúde, educação, e ainda lazer. Para o Dieese, o salário mínimo ideal do brasileiro superaria os R$ 2,8 mil, três vezes e meia o valor do salário mínimo para 2015.

Proposta orçamentária prevê salário mínimo de R$ 788,06 para 2015
A partir de 1º de janeiro de 2015, o salário mínimo deve ser R$ 788,06, segundo o Projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa) 2015. Um reajuste de 8,8%....
Consumidor brasileiro acredita em inflação de 7,2% nos próximos 12 meses
O consumidor brasileiro acredita que a inflação ficará em 7,2% nos próximos 12 meses, segundo pesquisa feita neste mês pela FGV (Fundação Getulio Var...
Agências do BB abrirão uma hora mais cedo para saques do Pasep
As pessoas com mais de 70 anos beneficiadas com o saque das cotas do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) poderão ir mais c...
Águas Guariroba consta pela 2ª vez entre 150 melhores para se trabalhar no País
Pela segunda vez, a concessionária Águas Guariroba, responsável pelo saneamento básico em Campo Grande, está relacionada entre as 150 melhores  empre...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions