A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 20 de Agosto de 2017

19/03/2017 17:00

PF faz pirotecnia e erra ao criminalizar toda a carne brasileira, diz Reinaldo

Governador diz que operação pode prejudicar o mercado da carne brasileira, com prejuízos na cadeia produtiva

Leonardo Rocha
Reinaldo comentou sobre operação da Polícia Federal, durante evento em Guia Lopes da Laguna (Foto: Chico Ribeiro / Governo do Estado)Reinaldo comentou sobre operação da Polícia Federal, durante evento em Guia Lopes da Laguna (Foto: Chico Ribeiro / Governo do Estado)

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), afirmou que a Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, que identificou irregularidades em três frigoríficos, teve muito "estardalhaço" e "pirotecnia", o que pode prejudicar o mercado da carne brasileira no exterior. Ele no entanto, defende punição àqueles que cometeram atos ilegais.

“Não se trata de defender os maus funcionários e empresários corruptos, que devem ser punidos com rigor. O que nos causa preocupação é por que essa pirotecnia, desqualificando toda a carne brasileira", disse Reinaldo, neste domingo (19), durante a inauguração de obras, em Guia Lopes da Laguna, a 220 km de Campo Grande.

Reinaldo lembrou que o Brasil já enfrenta resistências neste mercado, em países como Estados Unidos e Austrália, em função do aumentos das exportações brasileiras, por isso criticou o fato de "superdimensionar" casos pontuais e isoladas que tiveram irregularidades.

"Isso é muito ruim, prejudicial ao mercado e ao país. Será que tem algum pano de fundo nisso tudo? Não se pode criminalizar toda a carne brasileira por causa de alguns maus funcionários e empresários corruptos, em prejuízo a toda uma cadeia produtiva”, avaliou o tucano.

O governador entende que as ações divulgadas pela Polícia Federal, não correspondem ao tamanho do mercado e qualidade da carne brasileira. "Há 5 mil frigoríficos em todo o País e se há uma investigação há dois anos os culpados já deveriam estar presos. É um erro da investigação em passar a impressão que todos os frigoríficos agem de má fé".

Ele pretende se reunir com representantes do setor e também avaliar em conjunto com o Ministério da Agricultura, que prejuízos esta operação vai trazer para a pecuária de Mato Grosso do Sul e do Brasil.

Investigação - A Operação "Carne Fraca" realizada pela Polícia Federal, faz parte de uma investigação que envolve frigoríficos em um esquema criminoso, que segundo as autoridades "maquiavam" carnes vencidas, com ácido ascórbico e as reembalavam para conseguir vendê-las.

As empresas, então, subornavam fiscais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para que autorizassem a comercialização do produto sem a devida fiscalização. Esta carne imprópria era destinada para consumo interno e à exportação.

Temer tem reunião à tarde para discutir reflexos da Carne Fraca na economia
O presidente Michel Temer terá uma série de reuniões neste domingo (19) com ministros e embaixadores dos principais países importadores de carne bras...
Em nota, ministério diz que inspeção é eficiente e que denúncias são pontuais
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento divulgou nota em que afirma que o “Serviço de Inspeção Federal brasileiro é considerado um dos ...



Concordo que é prejudicial ao país, mas não a atuação da Polícia Federal, e sim dos agente públicos e empresários que denegriram a nossa economia em nome do seu enriquecimento.
Senhor Azambuja, é o cúmulo superdimensionar que a Polícia Federal está errada e não detonar os maus servidores, frigoríficos e afins envolvidos, e que deveriam ser execrados e retirados do mercado, então, já que são minoria.
Mas a culpa é sempre da polícia.
Aqueles que deveriam ser fiscalizados colocam o país em cheque, mas a culpa é da polícia.
E senhor "crítico",
no Brasil o que precisa ter freio, o que precisa ser enquadrado é a cara de pau de muita gente que assalta o país, que paga pra não ser fiscalizado, o que precisa de freio é a roubalheira, a corrupção. Inversão de valores total.
 
Adriano em 20/03/2017 09:10:44
Se correr o bicho pega se ficar o bicho come, estamos entregue a própria sorte na verdade não temos a quem recorrer ,todas as instituições estão falida moralmente,executivo,legislativo e judiciário,como disse Ruy Barbosa, de tanto ver triunfar as nulidades de tanto ver prosperar a desonra de tanto ver crescer as injustiças de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus o homem chega a desanimar-se da virtude a rir da honra e a ter vergonha de ser honesto.
 
Bonerge em 20/03/2017 08:28:31
Deixa eu entender,os caras que era para fiscalizar não fiscalizaram(subornados),e os caras que não era para fiscalizaram , fiscalizam e estão errados(que nem deveria existir essa possibilidade)....Quando houve o caso do rato na coca,ninguém perguntou da onde era a fabrica.responsabilidade da marca em deixar qualquer pessoa no comando.
 
antonio em 20/03/2017 06:33:49
A verdade é que o país vive um momento de total esculhambação.
O Brasil é governado pela PF.
Como é possível um delegado reunir a imprensa e fazer um estardalhaço desses e o governo ser surpreendido?
Isso precisa ter um freio. A polícia não é um poder. A polícia faz parte do executivo.
Esse delegado tem que ser enquadrado.
 
Critico em 19/03/2017 21:56:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions