A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018

07/04/2011 12:54

Reajuste de 17,49% na luz pode gerar impactos negativos na indústria, diz Fiems

Ricardo Campos Jr.

Presidente da federação destaca consequências do aumento

O reajuste médio de 17,49% na tarifa de energia elétrica pode trazer impactos negativos para a indústria sul-mato-grossense. Para o presidente da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul) Sérgio Longen, além de prejudicar a competitividade entre as empresas do setor pode haver também impacto econômico.

“A energia cara compromete o desenvolvimento econômico do Estado, tanto na relação com outras unidades da federação, como com outros países”, analisou Longen afirmando que este valor é o maior entre as concessionárias de energia que estão tendo os reajustes aprovados no mês de abril.

O Concen (Conselho de Consumidores da Enersul) se reuniu no último dia 14 de março para tratar a respeito do reajuste.

Longen disse que já tinha se pronunciado contra aumentos nas tarifas para que todas as categorias de consumidores tivessem condições de pagar.

“A Fiems sempre lutou contra o alto custo da energia elétrica em Mato Grosso do Sul e, portanto, não poderia concordar com o índice autorizado pela Aneel”, declarou.

Para ele, haverá um grande impacto no bolso dos consumidores e destaca a pressão a qual o setor produtivo tem sofrido, caracterizada pelos “tarifaços” impostos aos consumidores, como o IPTU.

Dólar fecha em queda, cotado a R$ 3,71, de olho no cenário eleitoral
O dólar fechou a sexta-feira (19) em queda com o mercado ainda acompanhando o cenário eleitoral. A moeda caiu 0,26%, vendida a R$ 3,7125. Na semana, ...
Preço da gasolina cai 2% nas refinarias a partir de amanhã
A Petrobras anunciou hoje (19), em sua página na internet, que o preço do litro da gasolina ficará 2% mais barato em média nas refinarias de todo o p...
Índice que reajusta aluguel acumula inflação de 10,88% em 12 meses
O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), usado no reajuste de contratos de aluguel, subiu 0,97% na segunda prévia de outubro. A taxa é inferior ao 1...


Isso mostra a falta de comprometimento com a sociedade do MS. E uma conta que so eles conseguem fazer, ora, se a queda na safra atrapalho o executivo a dar um aumento melhor a seus funcionários, aumento este que fixou em 6%, e isso baseado nos indices de inflação, não há justificativa para um aumento de 17,49% na ernergia. E o pior ainda é que este aumento na enregia, acarretará aumento em outros produtos básicos para o dia-a-dia de todos nós. Desse jeito não consigo pagar meu emprestimo no banco nunca.
 
André Molina em 07/04/2011 01:28:10
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions