ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SÁBADO  02    CAMPO GRANDE 28º

Economia

Sindicalistas de MS protestam em Brasília contra juros altos

Vinícius Squinelo | 26/11/2013 20:05

Cerca de 3 mil manifestantes da Força Sindical, incluindo sindicalistas de Mato Grosso do Sul, e representantes de outras centrais sindicais, realizaram nesta terça-feira (26), em frente ao Banco Central, em Brasília, um protesto contra os juros altos. É que nesta mesma data inicia-se a reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) para decidir sobre a nova taxa Selic, que hoje é de 9,5%.

Idelmar da Mota Lima, presidente da Força Sindical Regional Mato Grosso do Sul, que está na manifestação, disse que, ao longo dos últimos meses, o Copom aumentou seguidamente a taxa Selic. “A preocupação das entidades sindicais é que hoje o Brasil é campeão mundial de juros reais e uma nova alta nas taxas pode prejudicar ainda mais o comércio do final de ano, causando estagnação na produção e na geração de empregos”, afirma.

“O governo precisa entender que a política de juros altos só prejudica o setor produtivo, o comércio e a geração de postos de trabalho dignos", alerta o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, CNTM e Força Sindical, Miguel Torres, que também criticou a falta de diálogo do governo com o movimento sindical, que é um fato que está impedindo a aprovação da pauta trabalhista e o desenvolvimento econômico e social do País. “Se não fossem os Sindicatos não teríamos os aumentos reais de salários que garantem poder de compra aos trabalhadores”, lembra Miguel.

O ato também foi para pressionar o governo e o Congresso Nacional e chamar a atenção da sociedade brasileira para a importância de se aprovar as reivindicações da classe trabalhadora: fim do fator previdenciário, fim das demissões imotivadas, redução da jornada de trabalho, reajuste da tabela do Imposto de Renda, extinção do projeto de lei que amplia a terceirização, valorização das aposentadorias e repúdio às mudanças que o governo pretende fazer no seguro-desemprego e que prejudicam os trabalhadores desempregados.

O deputado federal Paulinho da Força, presidente licenciado da central, lembrou que o movimento sindical começou a ano com manifestação em Brasília e fecha agora com mais protestos e indignação. Paulinho criticou os burocratas que impedem o crescimento produtivo, a geração de emprego e a distribuição de renda, beneficiando tão somente o setor financeiro. “Vamos agora fazer pressão sobre o governo e o Congresso pela nossa pauta trabalhista e social”.

Nos siga no Google Notícias