A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

08/07/2014 08:48

Alemães ficam com o coração dividido e prometem torcer para quem ganhar

Helton Verão
Alemães ficam com o coração dividido e prometem torcer para quem ganhar
Alemães-brasileiros na Capital, se a seleção que escolherem nas semis não passar, irão prestigiar a classificada até o títuloAlemães-brasileiros na Capital, se a seleção que escolherem nas semis não passar, irão prestigiar a classificada até o título

Brasil e Alemanha decidem nesta terça-feira (8) quem vai à final da Copa do Mundo 2014. Em Campo Grande, alemães e descendentes se dividem na torcida, todos já tem a sua seleção favorita, mas se caso ela não passar, irão se conformar em torcer para quem seguir na competição.

Morando há 10 anos na Capital, o professor de alemão Frank Siol, 49 anos, que é natural de Bremen, aposta na vitória alemã. “Os alemães irão vencer por 3 a 2. Um gol de Hummels, um de Müller e o terceiro pode ser qualquer um, basta vencer”, almeja Siol.

O alemão conta que veio apenas visitar o Brasil, mas acabou conhecendo sua esposa e ficando de vez em Campo Grande.

Sobre onde assistir o jogo, Frank lamenta por enquanto não ter conseguido uma carona para ir ao Paraguai. “Lá nossa colônia é maior. Ir para a região Sul é muito longe. A princípio irei ver o jogo em um shopping aqui de Campo Grande”, comenta Siol.

"Na final quero enfrentar a Argentina. Pois com a Holanda tenho receio de não ganharmos. Mas nesta hora não temos como escolher", resume Frank.

Outros alemães de dupla cidadania, com pais e avós nascidos no país e forte influencia dos europeus a dor e a dúvida é maior. “Nasci em Santa Catarina, vou torcer pelo Brasil e depois quem sabe para Alemanha. Gostaria que a taça ficasse aqui, mas estou preocupado após a saída de Neymar, pois ele fazia gols mesmo. Mas se não ficar aqui, pode ficar com os alemães”, revela Aldo Lothár Stenzler, 65 anos.

Para ele o resultado será 2 a 1 para o Brasil, com gols de Hulk e David Luiz.

Outro brasileiro-alemão, Celso Afonso Brixner, 44 anos, explica que seus pais e avós nasceram na Alemanha e em toda sua família a cultura, tradições e a língua seguem presentes e até nos outros jogos da Copa torceram pelos alemães. “Mas vamos torcer para o Brasil. Hoje já temos muito do Brasil no nosso sangue”, promete Brixner.

O resultado apostado por Celso é o mesmo, 2 a 1 para o Brasil, com gol de David Luiz e Willian. “Vamos assistir o jogo no CTG (Centro de Tradições Gaúchas), um telão será instalado para os descendentes e alemães”, conta Brixner.

Brasil e Alemanha jogam nesta terça-feira (8), às 16 horas (de MS), no estádio Mineirão, em Belo Horizonte.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions