A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

08/01/2015 17:10

Campo-grandense defende recorde mundial na prova dos Três Tambores

Paulo Nonato de Souza
A campo-grandense Camila Thomaz, de 13 anos, é a brasileira mais bem colocada nos Três Tambores, com o quinto melhor tempo do ranking mundial (Foto: Arquivo pessoal)A campo-grandense Camila Thomaz, de 13 anos, é a brasileira mais bem colocada nos Três Tambores, com o quinto melhor tempo do ranking mundial (Foto: Arquivo pessoal)

Competidora desde os 10 anos de idade na modalidade Três Tambores, prova a cavalo que consiste em contornar três tambores distribuidos ao longo de uma arena no menor tempo possível, a campo-grandense Camila Fontoura Thomaz, de 13 anos, é dona atualmente do quinto melhor tempo do recorde mundial com 16s719 na categoria Jovem B. Quem tem o recorde mundial é a norte-americana Courtney Ducan, de 24 anos, com o tempo de 16s586.

Para 2015, Camila já tem definido o seu grande desafio nas provas que virão pela frente: “Quero bater o recorde mundial da Courney”, garante.

A considerar o seu crescimento nas competições em apenas três anos, a tarefa pode ser difícil, mas nenhum pouco impossível.

Na busca do seu objetivo, além do apoio da família, os pais Ricardo Thomaz e Daniele, e do irmão José Ricardo Thomaz, que também compete, a amazona conta com a sua grande parceira de provas, a égua Sônia, uma Quarto de Milha de 7 anos. “A Sônia é perfeita. Tem habilidade e muita velocidade”, destaca.

Apontada como uma das revelações da modalidade no Brasil, Camila já divide as atenções com as rivais e os rivais mais velhos. Isto porque na lista dos cinco melhores tempos do recorde mundial, estão três homens entre a líder americana e a campo-grandense quinta colocada: Marcos Monzinho, de Jaguariuna (SP), segundo colocado, Anderson Silva Ribeiro, de Resende (RJ), terceiro, e Octavio Faria, de Maringá (PR), o quarto. Eles tem o tempo de 16s680, 16s705 e 16s713, respectivamente.

EM FAMÍLIA - Camila tem na sua cola o irmão José Ricardo Thomaz, de 10 anos, outra esperança da família na modalidade. Ele, tal qual ela, também tomou gosto pelos Três Tambores a partir da participação no hipismo.

Zé Ricardo, como já é conhecido, compete desde os 7 anos. Indagado sobre a sua meta nas provas que pretende disputar nos próximos anos, não teve dúvida: “Quero bater o recorde mundial da minha irmã”.

ENTENDA A PROVA DOS TRÊS TAMBORES - A prova dos três tambores consiste em contornar 3 tambores distribuídos ao longo da arena no menor tempo possível. Nesta prova, os tambores são distribuídos de forma triangular, com uma distância de quatro metros um do outro. A largada da prova de três tambores é dada quando o focinho do cavalo cruza a linha de partida.

Cavalo e cavaleiro e/ou amazonas partem em direção ao 1° tambor, onde devem contorná-lo numa volta de 360° da esquerda para a direita, o 2° e o 3° tambor devem ser contornados numa volta de 360° da direita para a esquerda, só então se dirigem à linha de chegada. A cada tambor derrubado, o competidor é penalizado em cinco segundos, que são acrescidos ao tempo final. Vence o competidor que fizer a prova em menos tempo.

Penalizações da prova de três tambores: Caso sejam encontradas marcas de espora ou chicote no cavalo, o competidor é desclassificado.

José Ricardo Fontoura Thomaz, de 10 anos, outra aposta da família nos Três Tambores (Foto:Arquivo pessoal)José Ricardo Fontoura Thomaz, de 10 anos, outra aposta da família nos Três Tambores (Foto:Arquivo pessoal)


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions