A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

07/04/2012 12:37

Por amor ao esporte, técnicos se dividem entre empresários e pais de atletas

Wendell Reis

Professores se transformam em empresários para conseguir superar as dificuldades com falta de incentivo

Ademir já pensou em desistir, mas revela que continua por amor ao esporte(Foto: Wendell Reis)Ademir já pensou em desistir, mas revela que continua por amor ao esporte(Foto: Wendell Reis)

O técnico da equipe Calvoso/Color Shop/Funcespp, de Ponta Porã, atua como professor de voleibol há 18 anos. Nesta vida dedicada ao esporte, ela já pensou diversas vezes em parar, mas seguiu, motivado, segundo ele, pelo amor ao esporte.

A dedicação faz o professor se dividir entre a função de empresário, técnico, amigo e até psicólogo dos atletas, geralmente na fase da adolescência. “Não é fácil”, resume o treinador, que chegou a comprar uma Kombi para transportar os atletas e incentivar a prática de esporte.

Apesar de incentivar os atletas, Ademir faz questão de dizer que não ilude os adolescentes. Experiente, ele sabe que são poucos os que vão conseguir se destacar e fazer do esporte uma profissão, mas pede para os atletas se divertirem, curtir e fazer amizade , lembrando que a história construída ali vai poder ser levada para os filhos e netos.

“Tento fazer do vôlei o mais divertido possível, dando carinho e amizade. Não iludo. Lembro que tem que estudar, porque o voleibol é passageiro. Mas, quando passar, o atleta terá o estudo para proteger”. Apesar de deixar claro que o esporte é instrumento de lazer, o professor se orgulha em dizer que tem dois atletas que recebem salário para jogar.

Ademir acredita que o nível do voleibol no Estado caiu bastante nestes 18 anos que atua como técnico. A explicação, segundo ele, está na falta de incentivo. O técnico relata que o esporte tem muita despesa e pouco investimento. Para conseguir viajar com os atletas, Ademir ainda recorre a rifas e chega a tirar dinheiro do bolso para levar as meninas para jogar. “As pessoas não dão valor para as categorias de base e é lá que surgem os futuros profissionais. Já pensei em desistir várias vezes. Só não desisto por amor ao esporte”.

O treinador relata que as próprias competições da FVMS (Federação de Vôlei de Mato Grosso do Sul) não favorecem as equipes. A distância da Capital faz os campeonatos do interior serem mais competitivos, visto que são mais baratos e com menos burocracia. Só com inscrição, a equipe gastou R$ 400, somado a hospedagem e até cozinheira, contratada para acompanhar a equipe em Campo Grande. “É uma via sacra participar. A federação deveria baratear o custo”.

Ademir entende que as empresas ainda não perceberam o quanto o esporte pode servir de marketing. Ele acredita que o Governo deveria valorizar o esporte, começando, a exemplo, com a isenção de impostos para empresas que investirem no esporte.

O professor Antônio Carlos, mais conhecido como D’Lua, explica que para conseguir manter o investimento no esporte precisa ser empresário e até atuar na política, trabalhando em secretarias de esporte. Segundo ele, infelizmente, as pessoas não têm um pensamento voltado ao esporte e os incentivos ainda são pequenos.

O técnico lembra que apesar das dificuldades, ainda consegue incentivar a prática de esporte, dando bolsas de estudo. Hoje ele tem 16 bolsas da Unib-Objetivo, que são distribuídas aos atletas. Destas, metade são custeadas pela Associação Atlético D’Lua, criada por ele para conseguir financiar os atletas. A vontade de continuar está no orgulho de ver os atletas se destacando. D’Lua conta que hoje tem três atletas que jogam em Maringá, em um projeto da CBV (Confederação Brasileira de Voleibol).

Para exemplificar a despesa de uma equipe, o professor conta que gastou R$ 4,1 mil só com inscrição para os atletas do mirim, infantil e juvenil. Além disso, soma-se a este gasto as despesas com alimentação, transporte e hospedagem. Para cada atleta, o professor está gastando R$ 25 ao dia com alimentação e hospedagem em Campo Grande, o que avalia que não é um custo alto para uma empresa financiar e ajudar a tirar um adolescente da rua, do computador ou da balada.



Vamos começar ao rumo da meritocrácia para contemplarmos aqueles professores e trabalhos que mais tem se destacado nesses anos. Os nossos órgãos do esporte tem que reconhecer de verdade e incentivar financeiramente esses técnicos herois do esporte. Parabéns a você que é um desses lutadores briosos e perseverantes, parabéns Prof Ademir pela sua dedicação e coragem de dizer verdades.........
 
Monteiro Ernesto em 10/04/2012 04:39:37
Bom o Pessoal do voleibol ainda tem um campeonato reconhecido e os outros esportes??? o B M X por exemplo parece que se estiver acontecendo deve ser o 23º mas e um campeonato tabajara não existe para que possa contar pontos ou vagas para o Brasileiro de Bicicross. A equipe de Ponta Porã e a atual vice campeã Paranaense e tendo três atletas campeões até agora não saiu o calendário do MS.
 
Ever Alexandre em 09/04/2012 10:42:44
Enquanto isso dep. recebem verbas indenizatória pra paga supermercado e viagem, e mais ...o valar não se fala em dois dígitos falam em três pra cima hummmmm, coisa errada nisso tudo
 
gonçalves Valdecy em 09/04/2012 09:16:23
Os artistas pedem 1% pra cultura. Que tal atletas pedirem também no mínimo 1% pro esporte?
Quem começa?
 
Daniel Francelino da Silva em 09/04/2012 01:53:50
Paranaíba???? A resposta é simples: Vá embora daí já. Jamais haverá qualquer tipo de incentivo ao esporte nesta cidade. Já viu coronel jogar voleibol? nem basquete, nem hand, nem nada. O esporte de Paranaíba é jogar as pessoas, os talentos, os profissionais no lixo. Por isso nada vai pra frente. Na boa: ESQUECE.
 
Glauce Lima de Oliveira Ramos de Souza em 08/04/2012 09:32:21
Entendo a situação em que o professor Ademir passa, pois sei exatamente do que ele esta falando porque fui atleta dessa mesma modalidade na cidade de Naviraí e por consequência conheci o professor Ademir e os problemas que ele esta passando eu passei como atleta junto com meu professor e colegas na cidade de Naviraí. Infelizmente essa é a realidade do estado.
 
TIAGO FRUHAUF em 08/04/2012 09:19:30
sou professor educação física aqui em paranaíba - ms, e sinto a dificuldade da falta de incentivo por parte do poder público, que não investe na modalidade, fazendo com que os jovens, que surgem nos campeonatos estudantis, abandonem precocemente a prática do voleibol.
 
NELSON TORRES em 08/04/2012 01:44:37
Existe uma inversão de valores, as Federações, não é exclusividade da FVMS, creem que os clubes existem por conta delas, e na verdade é o contrário, as Federações só existem por conta dos clubes. Enquanto os clubes não tiverem essa noção, as equipes, os atletas, os técnicos e principalmente os patrocinadores vão se distanciar e desistir de "carregar" o Voleibol (esporte de modo geral) desse Estado
 
Paulo Braga em 08/04/2012 01:06:44
Acompanho o voleibol do estado há muitos anos, entendo o desabafo dos técnicos quando se referem a falta de patrocinadores, apesar que os mesmos receberam auxílio das suas respectivas Prefeituras para participarem da competição.No entanto, descordo quando se fala do não crescimento da modalidade nos últimos 18 anos em nosso estado. Ressalto ainda, que o voleibol de MS foi a única modalidade deste estado que teve representantes nas olimpíadas de Atenas com Benjamin e Pequim com a Talita, sem contar atletas como Natasha e Thiago que foram campões mundiais juvenil . Nos últimos 16 anos, as seleções de MS subiram no pódium treze vezes em Campeonatos Brasileiros de Seleções de Base. Referente aos R$ 4.100 reais inclui-se anuidade do clube, inscrições, registros e renovações de todos os atletas das categorias pré-mirim, mirim, infanto-juvenil, juvenil feminino e masculino.
 
alvaro roberto em 07/04/2012 05:41:41
Nos últimos 16 anos, as seleções de MS subiram no pódium treze vezes em Campeonatos Brasileiros de Seleções de Base. Referente aos R$ 4.100 reais inclui-se anuidade do clube, inscrições, registros e renovações de todos os atletas das categorias pré-mirim, mirim, infanto-juvenil, juvenil feminino e masculino.
 
alvaro roberto em 07/04/2012 04:58:29
MS volta de Seletiva Sub-18 em RS com 3 medalhas de ouro e uma de prata
Os judocas de Mato Grosso do Sul que foram para Porto Alegre (RS) disputar a Seletiva Nacional Sub-18, competição que vale para o ranking de 2018, vo...
Sul-mato-grossenses conquistam medalhas no Brasileiro e Torneio Open
Dois nadadores sul-mato-grossenses conquistaram várias medalhas no Campeonato Brasileiro Senior de Natação e do Torneio Open CBDA - Correios, disputa...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions