A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


01/10/2016 07:00

A paranoia do guarda com o trabalho da imprensa

Waldemar Gonçalves

Paranoia – A atual administração municipal tem uma certa paranoia com o trabalho da imprensa. Ontem, a reportagem do Campo Grande News pediu – e obteve – autorização da Secretaria Municipal de Saúde para ir a postos de saúde, que são prédios públicos, diga-se, registrar o último dia de campanha nacional de vacinação. Até aí, tudo certo.

Guardinha – Ocorre que, na unidade de saúde do bairro Coronel Antonino, a equipe chegou a se identificar na entrada e começou a fazer seu trabalho, até ser interrompida por um guarda municipal. Além de proibir a reportagem, o servidor negou-se a falar com a assessoria da Sesau, que havia autorizado a entrada do Campo Grande News e pretendia reforçar a ele tal determinação.

Alfinetadas – Não faltaram alfinetadas dos candidatos a prefeito de Campo Grande no último debate antes das eleições 2016. Funcionário fantasma, lembrança da Coffee Break e Caravana da Saúde foram alguns dos alvos dos embates.

E o eleitor? – O candidato do PV, Marcelo Bluma, comentou sobre o fato de, segundo ele, o eleitor ter de escolher entre “assombração” e “mula sem cabeça”, caso se concretize o segundo turno das eleições.

Sem nível – Bluma não citou nomes, mas irritou a candidata Rose Modesto (PSDB). A tucana lamentou pelo eleitor não assistir a um debate “no nível que merecia”, às vésperas da eleição.

Confiantes – Mesmo com as críticas e alfinetadas, os candidatos saíram de lá se dizendo confiantes em suas performances e acreditando que o confronto foi determinante para os indecisos definirem uma escolha nas urnas.

Repetidos – Os discursos se repetiram no último debate. Athayde Nery (PPS) aproveitou novamente para pedir explicação para Marquinhos Trad (PSD) sobre sua suposta contratação na Assembleia Legislativa. Marcelo Bluma repetiu pelo menos umas quatro vezes que é “engenheiro”. Segundo ele, para legitimar sua autonomia em falar de trânsito, por exemplo.

Pouco movimento – Perto da eleição, a movimentação na área central e nos bairros ainda é tímida. São poucas ações nas ruas, se comparada a eleições anteriores.

Indecisos – Os novos candidatos a vereador, com tempo curto na TV e de campanha, têm o desafio de convencer os eleitores na reta final. Há muitos indecisos.

Alta abstenção – A Justiça Eleitoral tem feito propagandas para incentivar a população a acompanhar o pleito eleitoral e ir votar no domingo. O temor é que o número de abstenção seja muito superior aos outros pleitos.

(Com Mayara Bueno, Christiane Reis e Leonardo Rocha)

Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...
Secretário torce e comemora venda da folha
Torcida - Parecia um jogo valendo título a forma como o secretário de Finanças e Planejamento de Campo Grande, Pedro Pedrossian Neto, acompanhava a a...
Partidos fazem "fila" por Takimoto
Desejado - Na mira do PDT para perder o mandato, o deputado estadual George Takimoto já tem fila de interessados em seu passe na Assembleia Legislati...


guardinha!!!!! paranoia!!!! oque sera que querem dizer com essas palavras !!! senhores repeitem a guarda municipal !!!! quem determina ou delega ordem a um gcm e seu comandante e nao servidores da prefeitura !!! se o gcm do local disse que nao iria entrar ele recebeu ordens de seu superior ! entao cupram !! agora tratar o gcm com pronomes de inferioridade ai e muita ipocresia !!!
 
hudson pereira bonfim em 03/10/2016 14:21:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions