ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  22    CAMPO GRANDE 30º

Jogo Aberto

Do Chapeuzinho Vermelho ninguém fala, diz deputado

Por Fernanda Palheta, Caroline Maldonado e Anahi Zurutuza | 16/05/2024 06:00
Foto do espetáculo do grupo UBU, selecionado com verba de incentivo cultural. (Foto: Divulgação)
Foto do espetáculo do grupo UBU, selecionado com verba de incentivo cultural. (Foto: Divulgação)

A volta do "UBU Trans" - Após ter a moção de apoio ao Grupo de Teatro "UBU” rejeitada durante a sessão ordinária de terça-feira (14), a deputada Gleice Jane (PT) apresentou uma nova proposta nesta quarta (15), desta vez para moção de reconhecimento pela determinação e resiliência da companhia teatral que teve o espetáculo “UBU Trans – Transformando Caminhos e Fronteiras” censurado por prefeituras. Teve gente achando que o "trans" faz referência a transgênero.

Rebuliço - Mas foi só começar a falar, que a polêmica se instalou. Voz mais à direita na Assembleia Legislativa, o deputado João Henrique Catan (PL) novamente criticou o fato de uma "peça do tipo" ser bancada por verbas de incentivo à cultura. Logo recebeu uma enxurrada de criticas e aulas sobre o processo de seleção de um projeto cultural.

Trans de Trânsito - Do colega Pedro Kemp (PT), ouviu que o ataque ao grupo UBU nada mais é que desinformação e preconceito. “Se fosse peça do Chapeuzinho Vermelho ninguém se importava de ter dinheiro público bancando. Mas só porque tem ‘trans’ no título já ficam perseguindo. O pior é que o trans nem é de transgênero”, reclamou o petista. A deputada Gleice Jane completou a explicação dizendo que, no caso, o ‘Trans” é de trânsito, porque o espetáculo roda o Estado.

Mais amor - Até o presidente da Assembleia, deputado Gerson Claro ficou irritado com a discussão levantada por Catan, que criticou manifestações culturais envolvendo transexuais. Na avaliação de Claro, pessoas como o colega não poderiam viver na Roma antiga, porque iriam queimar a cidade por conta das peças encenadas ao ar livre. “A gente tem de respeitar as diferenças, abrir o coração”, pediu..

Articulação - O presidente municipal do PL, Aparecido Andrade Portela, o “Tenente Portela”, pode ser candidato a vice-prefeito na chapa que tentará a reeleição da prefeita Adriane Lopes (PP). Ele já disse que é pré-candidato a prefeito, mas Adriane revelou que, na verdade, a conversa é outra com a presidente estadual do Progressista, senadora Tereza Cristina, que defende a composição. Portela foi chefe da Defesa Civil de Campo Grande por seis meses, mas saiu justamente por causa dos planos para as eleições de outubro.

Caminhando junto - Entre os políticos do Partido Liberal que querem ser candidatos a prefeito, Portela é o mais próximo de Adriane. Se ele for candidato a vice, terá o desafio de convencer o eleitorado, que se mostra bem resistente, preferindo candidatura própria do partido. “As construções continuam e a gente tem grande apreço, respeito e gostaríamos muito de caminhar juntos na Capital”, comentou Adriane, durante evento em que assinou ordem de serviço para reforma de terminais na manhã de quarta-feira (15).

Xô olho gordo - Habilitado para disputar a vaga de vereador deixada por Cláudio Serra Filho (PSDB), Wellington de Oliveira, o Delegado Wellington (PSDB) disse que os suplentes devem aguardar o andamento da lista de convocação "sem ficar com olho gordo no que o outro está conquistando". Ele ainda completou que é preciso respeitar a decisão das urnas. Segundo Welligton, o ex-colega de partido, Lívio Leite (União Brasil) "é a bola da vez".

Pena maior – A senadora sul-mato-grossense Soraya Thronicke quer que furtos durante calamidades, como os casos registrados após as enchentes no Rio Grande do Sul, tenham pena mais elevada que as normais. Ela aproveitou o momento e apresentou projeto de lei que torna esses furtos qualificados, ou seja, com agravante.

Barrado? – Placas afixadas na porta onde enfermeiros recebem pacientes para a triagem na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Jardim Leblon, em Campo Grande, causam confusão engraçada. No topo da passagem, letreiro diz “Deus está aqui” e logo abaixo, cartaz ordena: “Mantenha a porta fechada”. As frases, lidas rapidamente e emendadas, arrancam risos de cantinho de boca de pacientes na recepção e ao menos servem de alívio na, quase sempre, longa espera por atendimento.

Nos siga no Google Notícias