A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


18/10/2019 06:00

Grife esportiva famosa vai construir condomínio em MS

Ângela Kempfer
Marco Aurélio Raymundo, conhecido como Morongo, dono da Mormaii. (Foto: Divulgação)Marco Aurélio Raymundo, conhecido como Morongo, dono da Mormaii. (Foto: Divulgação)

Surf pantaneiro - A Mormaii, grife brasileira famosa entre quem curte esportes de ação e surf, resolveu investir em empreendimentos imobiliários e criou o projeto do Condomínio Île Mormaii, que promete transformar o jeito de morar no Brasil. Nesta empreitada com o lema “A vida com jeito de férias”, a marca escolheu 5 estados para investir e um deles é Mato Grosso do Sul, além do Rio Grande do Norte, Bahia, Ceará e Santa Catarina. Por enquanto, só esse detalhe foi divulgado.

Fora de área – Praxe na Governadoria, uma exigência para que participantes da reunião do projeto "Governo Presente", ontem na Esplanada Ferroviária, chamou a atenção de quem está desacostumado com o detox digital. Ninguém pode entrar com celular. Reinaldo Azambuja justificou a medida não como ato de “segurança institucional”, como muitos pensam, mas sim para exigir foco dos presentes.

Atenção – “Em todas as reuniões procuramos deixar o celular fora porque, muitas vezes, a pessoa se dispersa da lógica da discussão. E como a reunião com os municípios é curta, com cerca de 40 minutos, embora aqui tenha sido um pouco mais longa, achamos melhor deixar o celular fora”, justificou o governador, que foi só elogios para o “clima cordial”, do encontro.

Compromisso marcado – Reinaldo também fez questão de desvincular a ação de questões eleitorais. Segundo o governador, o debate sobre as eleições municipais e sua participação fica “para a partir de abril do ano que vem”. A data, tratada como “momento oportuno”, foi acertada entre ele e Marquinhos Trad (PSD). Ambos, aliás, já têm outras afinações para o ano que vem, como o desejo do governador apoiar a reeleição do prefeito.

"Bate-bocalizando" - O velho embate entre direita e esquerda rendeu mais bate-boca ontem na Assembleia Legislativa. O deputado Pedro Kemp (PT) usou a tribuna para criticar o governo federal, sobre os índices de desigualdade social que aumentaram no Brasil, segundo pesquisa do IBGE. "Acredito que o modelo de gestão utilizado é extremamente injusto e excludente com os mais vulneráveis. Nosso País já esteve no ranking de altos índices, exatamente nos governos anteriores", destacou.

IBGE fake - Ele foi rebatido por Renan Contar (PSL), que acusou o colega de trazer notícias falsas em relação ao governo de Jair Bolsonaro (PSL). "Não sabemos quem mente mais, a Rede Globo ou a notícias que o senhor traz? Me sinto honrado em defender o presidente". O petista não deixou quieto e voltou a retrucar dizendo que os números eram do IBGE, mas que entendia, já que o partido do presidente e do deputado teria sido eleito com base em "fake news".

Microfone mudo - Mais exaltado, Kemp ainda chamou o presidente e o ministro da Justiça Sérgio Moro de "porcarias" e que o ex-presidente Lula só não ganhou a eleição do ano passado, porque está preso. O deputado Carlos Alberto David (PSL) tentou entrar no debate, mas o petista não concedeu a parte e ainda pediu para desligar o telefone do colega.

Unanimidade - Mas uma discussão consegue unir os dois lados na Assembleia. Diante da repercussão nacional, boa parte dos deputados sairam em defesa da prisão apenas em última instância, com o transitado em julgado e não em 2° instância. "A Constituição diz que a liberdade é a regra, até a última instância, só em casos de exceção que já estão previstos", defendeu José Carlos Barbosa (DEM). Mesma posição de Evander Vendramini (PP). "Se ainda existe recurso e apelação, porque já se faz a prisão? Tem que esperar o transitado em julgado".

Santo STF - Para Neno Razuk (PTB) também deve se esperar até o último recurso, antes que se faça a prisão. "No Brasil existe uma inversão de valores, já paga pelo crime antes do julgamento final". Para Pedro Kemp (PT) ninguém deve ser considerado culpado e preso, se ainda tem recurso a ser julgado. "Esperamos que o STF (Supremo Tribunal Federal) faça esta revisão", lembrando que a decisão pode atingir o ex-presidente Lula.

Direto na fonte - Duas agentes penitenciárias de Mato Grosso do Sul foram na fonte para aprender como lidar com situações de alto risco em operações nos presídios. Aprenderam no Rio de Janeiro.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions