ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SÁBADO  20    CAMPO GRANDE 28º

Jogo Aberto

Projeto do parquímetro no Centro volta sem novidades

Por Caroline Maldonado, Maristela Brunetto e Anahi Zurutuza | 02/04/2024 06:00
Consumidor usando antigo parquímetro para estacionar o veículo (Foto: Campo Grande News/Arquivo)
Consumidor usando antigo parquímetro para estacionar o veículo (Foto: Campo Grande News/Arquivo)

Mais do mesmo - O projeto de lei que prevê a concessão para empresa que vai administrar o estacionamento rotativo em Campo Grande havia sido retirado da Câmara e foi reenviado pela prefeita Adriane Lopes (PP) na semana passada. Depois de seis meses, o texto voltou com poucas alterações e alguns vereadores já avisaram que vão tentar mudar o que está previsto.

Mesmo tempo – A cobrança pelo uso das vagas do Centro está desativada há um ano e dez meses. A prefeitura quer dar 15 anos de concessão para a empresa que for escolhida e o contrato poderá ser prorrogado por mais 15 anos. Esse foi um dos pontos questionados por parlamentares, mas continua igual no projeto reenviado.

Justificativa – O líder da prefeita na Câmara, vereador Roberto Avelar, o “Beto” (PP), disse ao Campo Grande News que não tem como mudar esse período porque a prefeitura sabe que as empresas não se interessaram por uma concessão de menos tempo, mas o novo projeto trouxe outro pedido dos vereadores que é o número de vagas previstas.

Mais vagas – Eram 2.458 vagas na antiga concessão à Metropark que operou por 20 anos e agora a previsão é de 6,2 mil vagas. O número já havia sido divulgado pela Agetran, mas não constava no projeto e agora está no texto, que será votado pelos parlamentares.

Resistência – O projeto continua não agradando alguns vereadores que se posicionaram contra há seis meses. A vereador Luiza Ribeiro (PT), por exemplo, disse que não viu mudança alguma e vai propor emenda para diminuir o tempo de concessão. O vereador André Luis Soares, o “Prof. André” (PRD), já propôs redução para oito anos quando o projeto chegou a Casa de Leis pela primeira vez.

Amor e divergência – A ministra do Orçamento e Planejamento, Simone Tebet, disse que na casa dela impera o amor, mesmo até ela e o marido, o secretário da Casa Civil, Eduardo Rocha, divergem por temas políticos e ideológicos. Ela falou sobre o tema em entrevista à CNN, exibida no final de semana, ao comentar sobre eventual apoio à reeleição do prefeito paulistano Ricardo Nunes, do seu partido, MDB, e tem afinidade com bolsonaristas.

Natural – Simone pontuou ser natural as pessoas divergirem, mas disse que não subirá em palanque de bolsonaristas que defendam temas como armamentismo, recuo em costumes e na defesa do meio ambiente, linha que definiu como extrema direita. A ministra disse que não vê motivos até aqui para não apoiar Nunes, mas pode subir em palanque em dia diferente em que o ex-presidente Jair Bolsonaro.

Nunca imaginei – Simone disse ainda que nunca imaginou que poderia ter a terceira maior votação na eleição presidencial, mencionando a participação de Ciro Gomes (PDT) no pleito, já com experiências anteriores na disputa. Ela considerou que o MDB se tornou figura essencial na eleição de Lula e disse que se surpreendeu com a capacidade do presidente de ouvir sua equipe. Disse que se tivesse algo a aconselhá-lo, seria seguir ouvindo a todos e tendo paciência. Escutar mais resulta em menos erros, analisou.

Erga a voz – Em outro trecho, Simone revelou que sofreu misoginia em sua vida política, ao ser questionada se as críticas duras direcionadas à Nísia Trindade, da Saúde, poderiam ter fundo machista. A dica que deu às mulheres que atuam na política é que ergam a voz, o que não significa falar grosso, “porque não somos homens”, mas impor a voz para ser respeitada.

É golpe – Estelionatários não pouparam nem o vendedor de uvas. A página @uvasestanciaangelicas no Instagram, com 10 mil seguidores, foi “roubada” e os donos do empreendimento tiveram de divulgar nota à imprensa. O empresário Celso Cortada informou que já registrou o boletim de ocorrência na Polícia Civil. “A ‘Uvas Estância Angélica’ vem a público informar que seu Instagram foi hackeado na última sexta-feira (29), sendo que as mensagens postadas a partir desta data não são de responsabilidade da administração da empresa e que, possivelmente, são utilizadas para tentativa de golpe”.

Nos siga no Google Notícias