ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
DEZEMBRO, QUARTA  06    CAMPO GRANDE 23º

Jogo Aberto

Sopa de letras da campanha quase pronta

Marta Ferreira | 28/07/2018 07:00

Urna eletrônica - Faltando pouco mais de uma semana para o prazo final das convenções partidárias, que vão sacramentar as alianças para a disputa eleitoral, Mato Grosso do Sul tem, por ora, sete interessados em concorrer ao comando do Parque dos Poderes. A conta inclui André Puccinelli, que ainda é divulgado como candidato do MDB, apesar de mais uma decisão que o manteve preso, dessa vez do STJ (Superior Tribunal de Justiça.

Dúvida – A presença do nome de André Puccinelli na urna, porém, é um ponto de interrogação cada vez maior, justamente em razão de sua situação com a Justiça. O plano B, existe, e se chama Junior Mochi, o presidente da Assembleia Legislativa, que é apontado como um nome com “densidade eleitoral” para substituir o candidato.

Campanha – Na militância do MDB, o discurso é de apoio inconteste ao “Doutor André”, inclusive usando a identidade visual de suas campanhas mais antigas, que foram vitoriosas. Na nota oficial distribuída a imprensa, a legenda diz que a candidatura “segue firme”.

Apoios – Na distribuição dos partidos configurada até agora, tudo indica que Reinaldo Azambuja vai aglutinar os maiores em torno de sua candidatura pela reeleição. O candidato a vice, Murilo Zauith, vem do DEM, e uma vaga na chapa ao Senado é tida como certa para o ex-prefeito de Campo Grande Nelson Trad Filho, do PTB. Completam a lista o PSB, que tem um deputado federal, Elizeu Dionízio, o solidariedade e o PPS.

No barco, ainda – Do lado do MDB, a lista de partidos na aliança é extensa, mas são legendas de menor projeção. São pelo menos nove: Avante, PTC, PHS-PR- PMN- PRTB- PSDC- PEN-PRP.

Só dois – O juiz aposentado Odilon de Oliveira, candidato do PDT, até agora só aglutinou dois partidos em sua aliança, o PROS e o Podemos. A legenda já fez convenção.

E o PT? O Partido dos Trabalhadores, um dos que mais perdeu força no Estado nas últimas eleições, aposta no ex-prefeito de Mundo Novo, Humberto Amaducci, para a disputa. Sem aliados, a legenda deve ir sozinha para a disputa.

Lista – Além dos nomes já citados, são pré-candidatos, até o momento, o empresário João Alfredo, do PSOL, Marcelo Bluma, do PV, e Sérgio Harfouche, do PSC. Suél, do PSTU, que historicamente disputa as eleições, ainda não decidiu se vai encarar a eleição deste ano.

Preparado – Confirmado só nesta sexta-feira como pré-candidato ao governo, e não mais ao Senado, o procurador Sérgio Harfouche, já tinha material em vídeo sendo veiculado pouco tempo depois do anúncio. Nele, diz que mudou o cargo por clamor popular, e repete o tom impregnado de discurso religioso nos últimos anos.

Cuidadoso– Jayme de Oliveira, presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros pediu cautela na análise das denúncias contra a desembargadora Tânia Borges, acusada de interferir em processo no Judiciário estadual. Segundo ele, o caso será apurado com transparência pelo CNJ, evitando “distorções” que costumam surgir para a sociedade na divulgação de tais fatos.

(Com Humberto Marques e Leonardo Rocha)

Nos siga no Google Notícias