ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 20º

Jogo Aberto

Vereador do contra e "projetinho ruim" na Câmara

Por Jones Mário e Leonardo Rocha | 12/07/2019 06:00
Vinicius Siqueira usa a tribuna em sessão da Câmara. (Foto: Divulgação)
Vinicius Siqueira usa a tribuna em sessão da Câmara. (Foto: Divulgação)

Indireta - Líder do prefeito na Câmara Municipal, Chiquinho Telles (PSD), usou o microfone da Casa para reclamar de vereadores “do contra”, que fariam oposição até se Marquinhos Trad fosse "construir um novo hospital".

Projetinho ruim - O alvo da alfinetada foi Vinícius Siqueira (DEM), que devolveu na mesma moeda e disse que votaria com Marquinhos Trad pela manutenção do veto total a projeto do próprio Chiquinho. O texto, classificado por Siqueira como “projetinho ruim” e “eleitoreiro”, prevê isentar servidores de pagar taxa de inscrição para concurso público.

Reforço - O chefe do Gabinete de Segurança Institucional da presidência, ministro Augusto Heleno Pereira, autorizou a cessão por prazo indeterminado de oficial da ABIN (Agência Brasileira de Inteligência) para exercer cargo de assessora da reitoria da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

Mistério - A portaria, publicada ontem no Diário Oficial da União, não revela o nome da mais nova funcionária da instituição de ensino, apenas sua matrícula. A oficial também já foi cedida para o Ministério dos Transportes, em 2014, e foi nomeada diretora da Abin em 2016.

Congestionamento - O deputado Cabo Almi (PT), que faz parte da oposição, não participou da votação final sobre o projeto que cria novsa regras para contratar professores. Um dos mais críticos à proposta, quando o petista chegou na sessão, a votação ja´tinha acontecido. Ele jurou que demorou porque ficou "preso no trânsito", apesar de não haver muito problema do tipo em Campo Grande.

Moral com a base -O deputado Pedro Kemp (PT) ficou supreso, mas agradeceu o apoio e três deputados do PSDB - Rinaldo Modesto, Onevan de Matos e Marçal Filho - que votaram contra o projeto do governo estadual, que tratava da contratação de professores. "Apesar de serem do partido do governo, eles ficaram sensibilizados com a categoria, por isso votaram conosco".

Do contra - Marçal Filho (PSDB), que votou contra o projeto do governo, disse que espera que o partido entenda sua decisão, já que ele não era favor de um dos pontos da matéria, que diferencia salário dos contratados e efetivos. Ela ainda brincou dizendo que tinha "seguido o líder do partido", que é Rinaldo Modesto (PSDB), que também votou contra a base do governo.

Mas na categoria - Os representantes dos professores que foram à Assembleia acompanhar a votação do projeto, disseram ao final que vão fazer uma "campanha" na internet e dentro da categoria, para que os profissionais não votem nos 14 deputados que foram a favor da proposta. O objetivo é fazer campanha para que estes parlamentares não sejam reeleitos em 2022.

Fora do ar - Depois do cai não cai dos sistemas do Detran, agora é a Segurança Pública que parece refém de empresas que prestam serviços de Tecnologia da Informação. Desde o dia 28 de junho há problemas de acesso, inclusive, no SIGO. 

Útil ao agradável - A defensoria pública entrou com ação para obrigar a prefeitura a notificar proprietários de imóveis cujas calçadas estejam em más condições. A ação é assinada pelo defensor Amarildo Cabral, que foi candidato a deputado estadual pelo PSDB nas eleições 2018.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário