ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEXTA  30    CAMPO GRANDE 21º

Artes

Com história e arte, professor resgata heroísmo de soldados negros

Livro traz protagonismo e o heroísmo da população negra no Exército Brasileiro

Por Bárbara Cavalcanti | 14/06/2021 06:51
Capa do livro ilustra a participação dos negros durante a guerra do Paraguai. (Foto: Divulgação)
Capa do livro ilustra a participação dos negros durante a guerra do Paraguai. (Foto: Divulgação)

O protagonismo e principalmente o heroísmo da população negra no exército brasileiro é o assunto principal do livro do professor e jornalista Sionei Ricardo Leão. “Kamba’Race” conta um episodio dentro da história da Retirada da Laguna, em que soldados negros fragilizados foram mortos pelos paraguaios.

“O Império organizou uma tropa para expulsar os paraguaios do Mato Grosso. Mas ali foi muito sofrimento, eles andaram muito de chão, vieram do Rio e de São Paulo. Meu livro narra o episódio em que o comandante decide entrar no Paraguai, achando que iria encontrar alguma coisa lá, o que não aconteceu. Assim ele decide voltar e essa volta é muito sofrida, de muito sacrifício”, detalha.

No Kamba’Race, tropas brasileiras passam por vários desafios, como ataques paraguaios e até cólera. “Os soldados tiveram que carregar os colegas, eu sou militar, sei como é difícil, é um esforço físico muito grande. Muitos queriam inclusive desertar, tinham que cuidar dos doentes e lutar ao mesmo tempo”, explica.

Ilustrações do livro exemplificam dificuldade que soldados passaram. (Foto: Divulgação)
Ilustrações do livro exemplificam dificuldade que soldados passaram. (Foto: Divulgação)

E na altura de onde é hoje o município de Jardim, foi onde aconteceu a fatalidade: os soldados foram mortos pelos paraguaios. “Eles foram abandonados ali. Os paraguaios mataram eles com fio de espada e ponta de lança”, expressa.

Assim, Sionei decide escrever esse livro para que esse episódio fique registrado e também para homenagear o protagonismo negro nas forças armadas. “Não existem muitos registros sobre a quantidade exata da negros nas tropas brasileiras. Mas eles estavam lá, e desempenharam papel fundamental”, declara.

Ainda de acordo com Sionei, ele fez um levantamento e descobriu que apenas 11 comandantes de tropas brasileiras eram negros naquela época. “Inclusive um chegou de servir aqui em Campo Grande e em Corumbá”, comenta. “Assim, meu livro serve para exaltar o heroísmo desses soldados e o papel que negros desempenharam”, reforça.

Registros históricos mostram presença negra nas forças armadas durante a Guerra do Paraguai. (Foto: Divulgação)
Registros históricos mostram presença negra nas forças armadas durante a Guerra do Paraguai. (Foto: Divulgação)

Sionei é jornalista formado pela PUC de Campinas e pela UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). O livro é trabalho de pós-graduação. Ele também é especialista em política e estratégia, em parceria com a UFMS e a Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra de Mato Grosso do Sul.

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário