A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 22 de Maio de 2019

25/11/2018 08:15

Casamento coletivo acaba com distância entre 1º beijo e o sonho do sim religioso

A noite de sábado (24) foi a realização de um sonho para 17 casais, que em comum só tinham os anos que separavam o primeiro beijo do dia do casamento religioso.

Kimberly Teodoro
17 casais realizar o sonho do casamento religioso no último sábado (Foto: Janiely Silva)17 casais realizar o sonho do casamento religioso no último sábado (Foto: Janiely Silva)

A Paróquia Maria Mãe do Redentor, no Conjunto União, ficou cheia de amigos e familiares para a cerimônia de quase 3 horas de duração. Mas o tempo não incomodou. Pela igreja o que se viu foi emoção, tanto para quem estava no altar, realizando um sonho de muitos anos, quanto para quem fez parte da história dos 17 casais que, em comum, tinham apenas os longos anos que separavam o primeiro beijo do momento do “sim”.

No dia delas, cada noiva escolheu o vestido, o cabelo e a maquiagem idealizada ainda na infância, muitas delas acompanhadas de filhos e netos já tinham o casamento civil oficializado, mas por circunstâncias da vida, nunca chegaram à união religiosa.

Eliane e Laércio foram os primeiros a se casar em uma cerimônia coletiva da Paróquia (Foto: Janiely Silva)Eliane e Laércio foram os primeiros a se casar em uma cerimônia coletiva da Paróquia (Foto: Janiely Silva)

No inicio da cerimônia, a participação de Eliane e Laércio foi mais que simbólica, além de serem o primeiro casal a formalizar a união em um casamento coletivo da paróquia, os dois completaram 25 anos de casados no sábado e foram escolhidos para representar todos os outros que passaram por ali, abrindo também as comemorações de Natal.

Laércio conta que só encontrou o amor para uma vida inteira depois de uma separação, coisa que Eliane nunca nem tinha imaginado. “Minha irmã era casada com o irmão dele, já nos conhecíamos há 5 anos quando finalmente veio a curiosidade do primeiro beijo, mas antes disso eu não queria de jeito nenhum. Ele chegava no portão e eu virava a cara e ia para dentro de casa”, relembra a história que virou motivo de risada.

A insistência para começar o romance foi de Laércio, mas o papel fundamental para fazer o casal se entender foi da mãe dele, que tratava Eliane como filha e ajudou a nora a compreender melhor o rapaz. “Na relação o genro era eu”, brinca Laércio, que soube que tinha encontrado a mulher da vida dele no nascimento do primeiro filho do casal que hoje tem 3 meninas e 1 menino, além da filha mais velha de Eliane.

Quando começaram a vida juntos, os dois não tinham muito o que dividir, Eliane conta que a primeira aliança do casal custou R$ 12,00, e apenas há 5 anos as alianças de ouro foram compradas.

As primeiras alianças de Eliane e Laércio custaram R$ 12,00 e a troca só foi feita há 5 anos (Foto: Janiely Silva)As primeiras alianças de Eliane e Laércio custaram R$ 12,00 e a troca só foi feita há 5 anos (Foto: Janiely Silva)
Ninguém acreditou que Celina e Américo fossem ficar juntos, mas o amor dos dois continua o mesmo depois de 42 anos (Foto: Janiely Silva)Ninguém acreditou que Celina e Américo fossem ficar juntos, mas o amor dos dois continua o mesmo depois de 42 anos (Foto: Janiely Silva)

O vestido dourado escolhido por Celina Flores Faria se destacou entre as noivas mais tradicionais. Ela e o marido Américo Alcantara Faria oficializaram a união religiosa depois de 42 anos de casados, uma história de amor que começou na lanchonete do supermercado em que ela trabalhava, quando tinha apenas 19 anos.

Celina ainda lembra que ninguém acreditava na união dos dois, Américo já tinha 3 filhos quando se conheceram e era 11 anos mais velho, mas acabou sendo os “defeitos” que os outros apontavam a razão pela qual ela se apaixonou por ele. “Ele era um homem educado e carinhoso, que estava trabalhando para criar sozinho os filhos, isso me encantou nele. Levei os filhos dele para casa para conhecer a minha mãe, que adorou os três logo de cara”, diz.

Depois de 15 dias de namoro, os dois foram morar juntos e o que as pessoas diziam que não ia durar nem um mês, se transformou em uma vida juntos, 8 filhos, 17 netos e 1 bisneto.

Luzia e Wilmar se casaram na igreja depois de 20 anos juntos (Foto: Janiely Silva)Luzia e Wilmar se casaram na igreja depois de 20 anos juntos (Foto: Janiely Silva)

Outro casal que também entrou acompanhado dos filhos e netos foram Luzia Rodriguez da Costa e Wilmar dos Santos Freitas, que estão juntos há 20 anos. Discreta, mas elegante, Luzia escolheu o lilás para entrar na igreja, por ser o modelo de que mais gostou e por não ter a ideia formada de que “noiva precisa entrar de branco”, ela achou que a idade e a história do casal combinam mais com o vestido menos tradicional.

Juntos desde o ensino médio, o Sirley e Waldhielisson surpreenderam muita gente com o anúncio do namoro (Foto Janiely Silva)Juntos desde o ensino médio, o Sirley e Waldhielisson surpreenderam muita gente com o anúncio do namoro (Foto Janiely Silva)

Já a história de amor de Sirley Arrieiro e Waldhielisson Gaúna vem desde a escola. A madrinha do casal, Flávia Dias dos Santos, que acompanhou tudo desde o começo, conta que os dois não “iam um com a cara do outro” e quando eles começaram a namorar foi uma surpresa para toda a família, mas que hoje são um exemplo de conquistas e união para todos que convivem com eles.

Noiva tradicional, Andreia Lima Vieira usou um vestido branco tomara que caia com cauda de sereia, véu e grinalda como sempre imaginou que usaria no grande dia para encontrar o noivo, Maxsuel Alves da Silva, depois de 8 anos juntos.

Noiva tradicional, Andreia fez questão do véu e da grinalda (Foto: Janiely Silva)Noiva tradicional, Andreia fez questão do véu e da grinalda (Foto: Janiely Silva)

O motivo da demora foi o noivo, que cresceu fora da comunidade católica e não tinha catequese, nem crisma, o casamento só foi possível porque o Padre José Soares da Silva e a Paróquia promoveram um curso “intensivo”, que reintegrou Maxsuel a comunidade. Tudo para realizar o sonho de Andreia.

Para tornar esse dia possível, o trabalho do cerimonial foi voluntário, com direito a uma decoração de flores do campo decorando a entrada das noivas e espumante para o brinde final. Para encerrar as celebrações religiosas, a saída dos noivos foi pontuada por fogos de artifício que iluminaram o céu de lua cheia e poucas nuvens.

Você também tem uma história de amor para compartilhar? Envie para Lado B pelo e-mail ladob@news.com.br ou pelo FacebookInstagram.




imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.