ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 25º

Comportamento

Depois de 15 anos, mulher procura amiga para devolver elefante deixado pela avó

A 282 quilômetros de onde foi deixado, objeto pode parecer insignificante, mas carrega duas histórias que se cruzaram no passado

Paula Maciulevicius | 04/01/2017 06:05
Elefante de porcelana está em Araçatuba e depois de 15 anos "tutora" procura a dona. (Foto: Arquivo Pessoal)
Elefante de porcelana está em Araçatuba e depois de 15 anos "tutora" procura a dona. (Foto: Arquivo Pessoal)

Um elefante de porcelana procura sua dona. Guardado nos últimos 15 anos, o objeto foi presente da avó à Tânia que sumiu deixando a peça aos cuidados da amiga Mira. Agora, a atual tutora do souvenir usa as redes sociais para localizá-la, com a ideia fixa de devolver a relíquia e reencontrar a amiga.

Ainda jovem, Tânia deixou o elefante sob os cuidados de dona Mira, na fazenda Jatiuca, região de Água Clara. O xodó foi deixado para trás na mudança com a promessa de que seria recuperado por Tânia depois que se estabelecesse na cidade. Mira nunca mais teve notícias e também se mudou da fazenda para Araçatuba, interior de São Paulo, levando consigo o elefante, em 2005.

A 282 quilômetros de onde foi deixado para ser cuidado, o objeto pode parecer insignificante, mas carrega consigo duas histórias que se cruzaram no passado, marcaram uma e outra. Mira porque gostava de Tânia e entendeu o pedido como prova de confiança e Tânia porque pode estar à procura do elefante.

Peça foi deixada por jovem que faria mudança e nunca voltou para buscá-lo. (Foto: Arquivo Pessoal)
Peça foi deixada por jovem que faria mudança e nunca voltou para buscá-lo. (Foto: Arquivo Pessoal)

Descobrimos a história pelos compartilhamentos nas redes sociais, com o apelo por alguma notícia da verdadeira dona. É Alessandra, uma técnica em Enfermagem que tem sido a ponte para que dona Mira talvez encontre Tânia. Como a senhorinha já não mora mais no Estado, pediu à uma conhecida daqui que espalhasse entre os amigos.

"Este elefante veio parar na minha mão pelo seguinte: a família da Tânia trabalhava numa fazenda em Água Clara, onde eu e meu marido ficamos por 20 anos. Ele administrava e ela morava com os pais, mas vinha todo dia para a minha, que era na sede. A gente se dava muito bem", conta Valdomira da Silva Pereira, de 63 anos, dona Mira.

Quando a família de Tânia se mudou da fazenda, a jovem que na época devia ter seus 20 anos, pediu para que Mira guardasse o elefante.

"Era um presente da avó que ela gostava muito. Eu guardei para eles irem para Água Clara. De repente, soube que eles tinham ido para Campo Grande e ele ficou comigo", narra.

De Tânia, dona Mira só recorda do nome do pai, Zelito. "Eu sinto a necessidade de entregar, é um elefante simples, mas ele não é meu e talvez ela ainda possa pensar neste elefantinho", justifica Mira.

Dona Mira e o objeto. Senhora guarda com carinho o que já virou relíquia. (Foto: Arquivo Pessoal)
Dona Mira e o objeto. Senhora guarda com carinho o que já virou relíquia. (Foto: Arquivo Pessoal)

Alessandra, a técnica de enfermagem, tem postado nos grupos pelo Facebook a história. Por ter morado durante sua adolescência em Água Clara, conhecia dona Mira do consultório médico onde era recepcionista.

"Ela me mandou a foto e eu postei, porque às vezes tem alguém da família que pode reconhecer", fala Alessandra Faustino Rodrigues Ferreira. Há muitos anos ela também deixou a cidade do interior e veio para a Capital. E só encontrou a senhorinha amiga do passado pelo Facebook em 2016.

"Ela gostaria de devolver, tem um apego à história. Já pensou algo guardado tantos anos assim para entregar para outra pessoa?", se pergunta Alessandra.

Quem tiver notícias de Tânia ou da família, podem procurar Alessandra no Facebook.

Curta o Lado B 

Nos siga no Google Notícias