ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, SÁBADO  17    CAMPO GRANDE 19º

Comportamento

Depois de coletor, a moda agora é o disco menstrual: você usaria?

Disco é opção mais segura e ainda garante o sexo durante a menstruação sem vazamento

Por Letícia Ávila | 04/03/2021 06:47
Forma como o disco é inserido (Foto: Laís Camargo)
Forma como o disco é inserido (Foto: Laís Camargo)

Apesar do estranhamento, o coletor menstrual aos poucos foi ganhando a confiança das mulheres e virou exemplo de um substituto mais sustentável do absorvente descartável. Na mesma onda, o disco menstrual surgiu com todos os benefícios do coletor, e ainda promete que a mulher faça sexo durante a menstruação –  sem vazar nada.

Para quem não sabe, o coletor menstrual é um recipiente que, como o próprio nome diz, “coleta” o sangue menstrual e o armazena. Ele parece um copinho, feito de silicone maleável e que deve ser inserido dentro da vagina, no início do canal vaginal – como um absorvente interno. O disco menstrual, apesar de ser feito do mesmo material do coletor e ser utilizado com o mesmo motivo, tem um formato mais anatômico e é inserido no colo do útero, podendo ser usado por até 12 horas.

A diferença do coletor menstrual para o disco menstrual está na colocação, como explica a doula Laís Camargo, que também vende os produtos em seu perfil no Instagram. “O coletor fica no começo do canal e precisa criar vácuo nas paredes do canal vaginal. O disco, não, fica bem lá em cima; você tem que encaixar ele no final do colo vaginal”.

A doula e professora explica que a colocação sempre deixa as mulheres receosas. “Às vezes, me perguntam: mas não tem perigo de perder lá dentro? Não, o colo vaginal não é um buraco negro, ele tem fim!”, brinca.

Para fazer a aplicação, basta sentar-se no vaso ou manter a posição de cócoras. Uma das vantagens do disco menstrual é não depender do vácuo do canal vaginal. “Tem gente que se incomoda com o vácuo do coletor porque ele pode gerar um desconforto, uma cólica leve, apesar de eu não ter relatos sobre”, explica Laís.

E você, prefere coletor ou disco menstrual? (Foto: Arquivo Pessoal)
E você, prefere coletor ou disco menstrual? (Foto: Arquivo Pessoal)

Além disso, a doula garante que quem usa DIU também se sente mais segura para usar o disco, pois, por não ter o vácuo na hora da retirada, tem menos chance de deslocamento do dispositivo intrauterino.

De todas as vantagens, a mais comentada certamente é a de poder fazer sexo inclusive menstruada, sem vazamento. “Ele tem menos problema de vazamento que o coletor, e como fica bem colocado lá em cima, não vaza e não sai”.

Outro benefício de utilizar o disco menstrual, e também o coletor e o absorvente de pano, é o maior controle de fluxo. A doula Laís explica que existem toxinas no absorvente descartável que aumentam a quantidade do fluxo vaginal. “Toxinas como o dióxido de titânio, presentes no absorvente descartável, são relacionadas até mesmo com câncer de colo do útero”.

Como contraindicação, estão para as mulheres em fase de pós-parto vaginal devido ao sangramento, sendo indicado o uso do absorvente de pano. “As mulheres podem sangrar de três a 40 dias depois do parto normal, mas a média sangra em volta de 30 dias. Como o colo do útero está mais sensível por ter passado uma criança, não é recomendável a inserção”, ressalta a doula Laís. Mulheres com lesão vaginal ou com forte candidíase também não são indicadas a usar o disco menstrual. Para as que têm vaginismo, a contraindicação vai depender da intensidade do problema.

A estudante de pós-graduação, mãe, empreendedora e blogueira Giovanna Coelho, usa o disco menstrual há 3 meses e diz que vê muitos benefícios. “Ele é econômico, sustentável e ajuda a avaliar melhor o ciclo”, relata.

Ela explica que no começo teve dificuldades para colocar, mas que depois conseguiu utilizar normalmente. “Acostumei desde o primeiro ciclo e não troco por nada”. Ela também usou o coletor por 5 anos, mas hoje prefere o disco. “O disco é bem mais fácil de adaptar. Por não criar vácuo, machuca menos”.

Mas quanto custa? – O preço dos discos menstruais é de R$ 79,00 (Inciclo), contendo também o copo esterilizador, e de R$ 44,90 (Violeta Cup), contendo apenas o disco. Já no caso dos coletores menstruais, o preço é de R$ 89,90 (também da Inciclo), contendo também o copo esterilizador, e de R$ 44,90 (também da Violeta Cup), contendo apenas o coletor.

Eles podem ser comprados pelos sites das marcas, por distribuidoras e também por farmácias e drogarias na cidade.

 Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário