A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 17 de Agosto de 2019

13/08/2019 08:01

Em aventuras pelo Pantanal, onça-pintada vira modelo nas lentes de biólogo

Eduardo tem um trabalho bem diferente, ele passa os dias rastreando as onças-pintadas no Pantanal e no Cerrado

Alana Portela
Casal de onças-pintadas deitado na natureza (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Casal de onças-pintadas deitado na natureza (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)

Na intenção de ajudar a preservar as espécies ameaçadas de extinção, o biólogo Carlos Eduardo Fragoso se aventura pelo Pantanal em busca de flagrantes de onças. “Acho que fotos e vídeos tem um poder para inspirar, sensibilizar e despertar o interesse das pessoas pela natureza. Trabalho rastreando as onças-pintadas no Pantanal para obter dados sobre o comportamento dessas espécies e outras informações ecológicas que podem ajudar para a conservação desses animais”, explica.

O biólogo lembra que onças são admiradas, mas também odiadas e temidas. Por isso, busca mostrar a outra versão desses animais. “Quando estão dormindo, descansando, nadando, interagindo de forma pacífica. Mães com filhotes, irmãos interagindo entre si. Para quebrar um pouco a imagem negativa que essas espécies possam ter”.

Carlos Eduardo Fragoso se aventura na selva para fazer os clicks (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Carlos Eduardo Fragoso se aventura na selva para fazer os clicks (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)

Eduardo é de Santa Catarina, se formou em Biologia em 2014, e sempre teve vontade de trabalhar com mamíferos carnívoros, especificamente com os ameaçados de extinção. E, pasmem, acha isso relaxante. Ainda na faculdade, despertou o interesse pela fotografia e filmagem da natureza. 

“Depois de formado, iniciei minha carreira na Conservação de Carnívoros Silvestres, quando fui para Goiás trabalhar no Programa de Conservação Mamíferos do Cerrado em 2014. Atuava com captura e monitoramento de raposas-do-campo, cachorros-do-mato e lobos-guarás. No mesmo projeto fui para o Triângulo Mineiro para capturas de onças-pardas, também chamadas de pumas”, lembra.

Em 2015 veio para o pantanal sul-mato-grossense trabalhar com onças-pintadas. “Em 2018 passei a coordenar um projeto no Cerrado, na tríplice divisa entre Minas Gerais, Goiás e Bahia (fazenda Trijunção), onde desenvolvemos um projeto com lobos-guarás, onças-pintadas e pumas. Então tenho transitado entre os projetos no Pantanal e no Cerrado”, conta.

Onça-pintada andando na selva (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Onça-pintada andando na selva (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)
Ela fica na espreita (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Ela fica na espreita (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)
De cima, observam tudo a seu redor (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)De cima, observam tudo a seu redor (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)

Ambas as fazendas que trabalha envolvem o ecoturismo, então além dos estudos e registros também ajuda a mostrar os animais em seu ambiente natural. “Para os visitantes que vêm do mundo inteiro para ter o privilégio de vê-los em vida, livres”.

Eduardo também faz parte do Onçafari. “Associação concilia a pesquisa científica, o ecoturismo, a educação ambiental e o bem social, numa proposta bem embasada e pioneira no Brasil”.

Momentos - Geralmente Eduardo sai a campo sozinho para fazer as fotos, porém nunca foi atacado. “Pude registrar momentos emocionantes, brigas entre onças, elas caçando, etc. Sempre que as encontro, busco fazer registros desses comportamentos e dessas interações dos animais com o ambiente”.

Gostam de lamber um ao outro (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Gostam de lamber um ao outro (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)
Silenciosas, ela fica se esconde na natureza (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Silenciosas, ela fica se esconde na natureza (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)
Em cima da árvore é seu momento de descansar (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Em cima da árvore é seu momento de descansar (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)
Bebendo água e cuidando o movimento (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Bebendo água e cuidando o movimento (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)
Relaxando deitada no galho da árvore (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Relaxando deitada no galho da árvore (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)

Apesar do contato frequente, Eduardo tenta não interferir nem perturbar os animais na hora de fazer as fotografias. “Cada indivíduo tem uma tolerância distinta e dependendo do contexto. Se quero mostrar um pouco da paisagem, do cenário onde o animal está, dependendo da lente, uns 30 metros é interessante. Mas se for enfatizar algum detalhe do animal, uns 15 metros consegue fazer boas imagens”.

Durante a sessão de fotos, os animais até se aproximam. “Sabem que não representa uma ameaça. É um processo chamado de habituação que, com o monitoramento contínuo, eles passam a aceitar a presença no ambiente como um elemento natural e inofensivo”, explica. “Reconhecem o modo como se aproxima com o veículo, as manobras calmas, lentas, silenciosas, e como nos encontros anteriores nada de ruim aconteceu, ficam tranquilos”, completa.

Eduardo apenas entra em contato direto com as onças quando elas estão anestesiadas. “Com a finalidade de coletar materiais biológicos, como sangue, ectoparasitas como carrapatos, pelos, além de tirar todos as medidas do animal. Quando viável, coloca-se radiocolares para monitorar e estudar como elas se movimentam e usam o ambiente”.

Ela posando para a foto (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Ela posando para a foto (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)
Momento fofo, deitada no chão(Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Momento fofo, deitada no chão(Foto: Carlos Eduardo Fragoso)
Observando para atacar  (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Observando para atacar (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)
Casal descansando embaixo da sombra (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)Casal descansando embaixo da sombra (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)
De barriga pra cima (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)De barriga pra cima (Foto: Carlos Eduardo Fragoso)

Conforme o biólogo, a interação com o animal deve ser neutra. “Ele não ganha e nem perde nada. Os únicos que ganham são as pessoas que têm o privilégio de ver esses animais no ambiente natural. Nunca damos nada para os animais porque são selvagens e plenamente capazes de encontrar os recursos que precisam”.

Aprendizado - Algumas de suas fotos já foram usadas em livros e revistas. “As filmagens em alta qualidade, temos guardado no banco de imagens para, quem sabe, usarmos em futuros documentários ou materiais de divulgação. Trabalhar nesses lugares incríveis também me possibilitou conhecer e ajudar muitos fotógrafos e cinegrafistas de vida selvagem de emissoras e revistas renomadas, como BBC [British Broadcasting Corporation] e National Geographic, o que me trouxe um grande aprendizado”. 

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram.

 

Com a câmera nas mãos, o biólogo desbrava a natureza (Foto: Arquivo pessoal)Com a câmera nas mãos, o biólogo desbrava a natureza (Foto: Arquivo pessoal)
imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.