ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 27º

Comportamento

Islaine é recepcionista que viu muito famoso e ouviu desabafos demais

Elza Soares e Martinho da Vila são alguns dos artistas que ela conheceu no hotel de Corumbá

Por Jéssica Fernandes | 29/05/2022 08:00
Islaine trabalha há mais de três décadas na recepção do hotel. (Foto: Marithê do Céu)
Islaine trabalha há mais de três décadas na recepção do hotel. (Foto: Marithê do Céu)

Islaine Monteiro, de 63 anos, é a recepcionista que conseguiu perder as contas de quantos artistas conheceu no trabalho e não tem pressa para largar o ofício. Há 36 anos, ela trabalha no Nacional Palace Hotel, localizado em Corumbá, a 428 km de Campo Grande, que é ponto de parada de famosos e anônimos.

Corumbaense “nata”, como gosta de falar, ela se acostumou com o vaivém de rostos conhecidos pelo saguão e outros ambientes do hotel. Ao certo, Islaine não sabe mensurar quantos foram os cantores, atores e comediantes que passaram por lá, mas garante que cada um age de forma distinta.  “A gente vê muitas pessoas famosas, importantes e políticas. Um é diferente do outro, alguns ficam dentro do apartamento outros preferem sair para conhecer a cidade”, conta.

Diogo Nogueira, Martinho da Vila, Alcione e Elza Soares são alguns dos nomes que a recepcionista consegue lembrar de cabeça e falar pelo telefone. Como não é boba nem nada, Islaine já aproveitou algumas ocasiões para tirar fotos com os artistas que ficaram hospedados. Ela cita que uns não faziam sucesso no tempo que estiveram pela primeira vez no hotel. "Eu conheço o Michel Teló de outras passagens por Corumbá, porque quando ele veio não era nem famoso”, expõe.

Islaine fala sobre a rotina de trabalho e os hóspedes. (Foto: Marithê do Céu)
Islaine fala sobre a rotina de trabalho e os hóspedes. (Foto: Marithê do Céu)

Apaixonada pela produção cultural do Estado, a profissional revela que gosta mesmo dos artistas que estão há mais tempo em cena. “Eu gosto de músicas da região, sou apaixonada por Délio e Delinha, Almir Sater”, revela.

Antes de ser contratada pelo hotel, ela conta que estava desesperada à procura de emprego. Na época, o hotel não tinha vagas, porém não demorou e a recepcionista saiu e surgiu a oportunidade. “Aí o seu Antônio veio atrás de mim”, lembra.

Antônio Martins e Iracema, hoje falecidos, foram os primeiros patrões dela. Atualmente, o hotel é administrado pelo filho do casal, o empresário Luis Antônio. "Eu não tenho o que reclamar, meus patrões são muito amigos”, afirma.

Além de exercer as funções de uma recepcionista, Islaine brinca que também vira psicóloga. “Você praticamente é uma psicólogo, porque tem gente que quer conversar ou, às vezes, só quer que você os ouça”, explica.

Sem pressa de parar, ela segue trabalhando no local. (Foto: Marithê do Céu)
Sem pressa de parar, ela segue trabalhando no local. (Foto: Marithê do Céu)

Embora já possa se aposentar e curtir os frutos dos anos que trabalhou, Islaine não tem pressa para largar a recepção. “Eu até pensei em parar de trabalhar, mas perdi meu marido há três anos e não queria ficar em casa”, fala.

Em razão da 16ª edição da Fasp (Festival América do Sul Pantanal), Corumbá está movimentada, seja pelo número de turistas e atrações convidadas para o evento. Consequentemente, o hotel está movimentado. “Todo dia é um tipo de pessoa”, conclui a recepcionista.

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Nos siga no Google Notícias