ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, QUINTA  09    CAMPO GRANDE 27º

Comportamento

Onda do coronavírus faz internet ganhar movimento "sem barba"

Recomendação médica ou precaução, a moda que o coronavírus trouxe agora é do movimento por homens "sem barba"

Por Paula Maciulevicius Brasil | 24/03/2020 12:00
Marcelo com as ajudantes Júlia e Lara. (Foto: Arquivo Pessoal)
Marcelo com as ajudantes Júlia e Lara. (Foto: Arquivo Pessoal)

A recomendação, por enquanto, é para os profissionais de saúde, mas a precaução tem chegado ao ponto de levantar o movimento "sem barba". Nas redes sociais, a galera tem postado fotos de antes e depois mostrando que fazer a sua parte vai além de lavar as mãos e ficar em casa.

Engenheiro, Marcelo Paes tem 38 anos, e apesar de ser campo-grandense, é de Curitiba que ele conversa com a gente. O vídeo fofo abaixo é dele com as filhas Júlia e Lara, que no último domingo, aproveitaram o isolamento para tirar a barba do papai.

"Decidi deixar crescer em novembro do ano passado, sempre passo o final de ano com a barba grande e dessa vez iria ficar o ano todo", conta. Isso porque ele preparava um clipe especial com a banda onde é vocalista, Dogma Blue. "Estávamos com a gravação do vídeo agendada para o dia 25, quando veio a notícia da quarentena e do cancelamento, junto com a recomendação do alergista das meninas, tive que cortar", explica.

O pai foi orientado para que tirasse a barba e tivesse melhor asseio para assim diminuir a chance de contágio do coronavírus. "Como era domingo e passamos o dia todo dentro de casa, elas estavam super entediadas, então resolvi chamá-las para cortar minha barba e elas adoraram", descreve.

Montagem de antes e depois feita pelo servidor Angelo. (Foto: Arquivo Pessoal)
Montagem de antes e depois feita pelo servidor Angelo. (Foto: Arquivo Pessoal)

Aqui de Campo Grande, o servidor Ângelo Santos, de 33 anos, usa barba há seis anos, mas a cada ano tirava porque chegava no ponto de incomodar. Esta última, na foto de antes, tinha seis meses. "Agora eu fui 'obrigado' a tirar por vários motivos", diz. A esposa faz parte do grupo de risco no contágio do coronavírus por ter duas doenças autoimunes. "E também estou lotado na Sesau [Secretaria Municipal de Saúde], no centro de especialidade infantil, e alguns atendimentos estão acontecendo lá", afirma.

Agora sem barba ele explica que mantê-la era continuar com a mania de "ficar passando a mão na barba". "E ela pode se tornar um ninho ou alojamento do vírus", completa. Os cuidados não param por aí, quando chega em casa, Angelo deixa os sapatos do lado de fora, a roupa vai direto para a máquina e ele para o banho. "Para não correr o risco da barba não ficar bem limpa, decidi eliminar esta chance para o vírus e poder brincar com os meus filhos mais tranquilo também".