ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUINTA  21    CAMPO GRANDE 31º

Comportamento

Para não apagar o passado, Pedro se esconde entre bananeiras e cajueiro

Aposentado conta que mesmo tendo “apertos” para construir casa, o plantio de árvores sempre foi essencial

Por Aletheya Alves e Geniffer Rafaela | 21/09/2021 08:32
Pedro João Ferreira, de 76 anos, entre as árvores que "guarda" no quintal de casa. (Foto: Paulo Francis)
Pedro João Ferreira, de 76 anos, entre as árvores que "guarda" no quintal de casa. (Foto: Paulo Francis)

“Enquanto Deus dar vida, a gente vai cuidando das árvores”. Sem se preocupar com sujeira ou trabalho para manter seis árvores em casa, o aposentado Pedro João Ferreira, de 76 anos, conta que, há 20 anos, se “esconde” entre as folhas para não se esquecer do passado.

Como que apresentando entes queridos, o aposentado quis falar de suas árvores com a reportagem dentro de casa, não para fora dos muros. “Pode entrar, minha filha. Faz tempo que eu plantei elas, faz uns vinte e poucos anos”, introduz.

Pé de laranja se espalha pelo quintal de Pedro, já com frutas. (Foto: Paulo Francis)
Pé de laranja se espalha pelo quintal de Pedro, já com frutas. (Foto: Paulo Francis)

Explicando o motivo principal do carinho, Pedro relatou que se recusa a esquecer seu passado na roça em São Paulo e, por isso, ter todo tipo de árvore por perto é essencial. “Eu sou do mato mesmo, sou caipira. É isso de trazer o campo para cá, então, tem bananeira, pé de caju, acerola, goiaba, jabuticaba e tinha também de mexerica, mas acabou secando”. Com a longa lista, o aposentado até esqueceu do pé de laranja.

Passando a maior parte do tempo entre as árvores, ele conta que acorda logo cedo para colocar comida entre as folhas para os passarinhos e se separa das companheiras ao dormir. Vem muitos passarinhos, eles ficam comendo e eu acho bonito isso. Com esse “frio” que tá fazendo, a gente fica o dia todo sentado embaixo das árvores”, brinca.

Uma das árvores de Pedro é usada para sustentar ninho de ave. (Foto: Paulo Francis)
Uma das árvores de Pedro é usada para sustentar ninho de ave. (Foto: Paulo Francis)

Retomando o passado, Pedro explica que quando começou a construção da casa, não pensou duas vezes em priorizar as árvores. “Eu e minha esposa viemos para cá, construímos essa casa com o maior sacrifício e plantei elas. Gosto demais da conta de pegar a fruta direto do pé”.

Tomada por árvores - Olhando o número de árvores espalhadas por Campo Grande, é possível dizer que o amor pela arborização faz parte do cotidiano na Capital. Em reportagem publicada em agosto, o titular da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana), Luís Eduardo Costa, afirmou que 96% do perímetro urbano conta com árvores.

Casa na mesma região de Pedro compartilha a alta presença de árvores, no Jardim Batistão. (Foto: Paulo Francis)
Casa na mesma região de Pedro compartilha a alta presença de árvores, no Jardim Batistão. (Foto: Paulo Francis)

Conforme matéria já publicada pelo Campo Grande News, o Bairro Chácara dos Poderes, por exemplo, concentra nove árvores a cada 10 habitantes. Também com alta arborização, o Jardim dos Estados e Núcleo Industrial possuem cerca de cinco árvores a cada 10 moradores.

Para quem deseja mais árvores nas calçadas de casa, a Semadur oferece orientação técnica tanto para o plantio externo quanto no quintal. O número para contato é (67) 4042-1323, ramal 2743.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário