ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, QUARTA  08    CAMPO GRANDE 21º

Comportamento

Sem poder trabalhar, Naiara usa pintura para sentir coração bater mais forte

Aos 21 anos, ela mora numa fazenda no interior e pinta quadros para lidar com cardiopatia congênita que a impede de trabalhar.

Por Alana Portela | 16/02/2020 07:40
Naiara Nascimento Rodrigues pintando os girassóis na tela. (Foto: Arquivo pessoal)
Naiara Nascimento Rodrigues pintando os girassóis na tela. (Foto: Arquivo pessoal)

Naiara Nascimento Rodrigues nasceu com cardiopatia congênita, uma anormalidade na estrutura ou função do coração que surge durante a gestação. O problema é grave e afeta rotina, não permitindo-a trabalhar ou pegar peso. Aos 21 anos, já está quase aposentada, porém encontrou nas tintas e pincéis uma maneira de continuar vivendo. Começou a pintar quadros e agora sonha em se tornar uma artista plástica.

“Como tenho problema de coração, não posso fazer atividade pesada ou no me expor ao sol. Quando tinha três anos fui para São Paulo onde faria um transplante de coração, porém acabei fazendo uma plastia no lugar. Isso aconteceu em 2001 e me lembro de ter ganhado livro das obras da Tarsila do Amaral, que sempre me inspirou”, conta. “Por isso, fiz da pintura o motivo para nunca desistir de lutar. É nela que posso colocar minha alma, paixão e sonhos, é algo que realmente amo fazer”, destaca.

Ela mora numa fazenda em Dois Irmãos do Buriti, a 116 quilômetros de Campo Grande. Vive em meio a natureza e a vida pacata da roça. Sem muito contato com o mundo exterior, ganhou telas e tintas de uma professora, para começar a pintar para passar o tempo. “Ela me perguntou se tinha vontade de pintar, respondi sim e então comprou os materiais pra mim. Foi assim que pintei minha primeira tela e como agradecimento, todas as pinturas que fiz entreguei a professora”, lembra.

Um ramo de rosas dentro do vaso de planta e algumas pétalas caídas. (Foto: Arquivo pessoal)
Um ramo de rosas dentro do vaso de planta e algumas pétalas caídas. (Foto: Arquivo pessoal)
Naiara fazendo selfie com o quadro de um bebê que acabou de pintar. (Foto: Arquivo pessoal)
Naiara fazendo selfie com o quadro de um bebê que acabou de pintar. (Foto: Arquivo pessoal)

A pintora comenta que suas técnicas estão melhorando, mesmo sem curso de pintura. “Estão cada vez melhor, mas quero fazer um curso para aprimorar. Gosto de aprender coisas novas e também tenho vontade de aprender a fazer esculturas”, diz.

Ela lembra que desde pequena costumava desenhar em casa, nos locais mais improváveis. “Era debaixo da cama, da mesa. Penso que é um dom de família, já que minha avó não tinha nenhum estudo, mas era criativa e aprendeu a criar coisas, a esculpir, pintar e desenhar sozinha”.

Já Naiara despertou seu interesse pelos quadros ainda na escola, durante as aulas de artes. “É na pintura que faço mágica e encontro a motivação para não desistir. Meu problema no coração é congênito, nasci e vou morrer com ele. Em 2018 cheguei a fazer outra cirurgia para trocar a válvula mitra e aórtica e daqui dez anos terei de fazer outra”, comenta sobre o problema.

Contudo, apesar das dificuldades, ela não pensa em desistir, menos ainda em parar de lutar através da pintura. “Tudo que passei me motiva ainda mais a pintar a criar. A pintura é meu paraíso, onde encontro paz e tranquilidade. Algo que faço por amor e que sei que não vai afetar meu coração”, afirma.

Retrato da vida no campo, com os boiadeiros e a boiada, (Foto: Arquivo pessoal)
Retrato da vida no campo, com os boiadeiros e a boiada, (Foto: Arquivo pessoal)

Devido ao problema de saúde e por não poder trabalhar, ela recebe o LOAs (Lei Orgânica da Assistência Social), o que colabora na compra dos materiais de pintura. Apesar de viver afastada da Capital, recebe muitas encomendas de pessoas que conhecem seu trabalho e pedem para pintar quadros de paisagens ou retratos de pessoas.

Com delicadeza nas mãos e toques suaves, Naiara já pintou o retrato de um casal para guardarem de recordação, adora pintar a natureza, que é o meio onde vive e tem paz, e nesta semana pintou a fotografia de um bebê e vai entregar à família.

As mãos sujam de tintas que não saem fácil, mas ver o resultado do trabalho pronto e pessoas encomendando cada vez mais não tem preço, e mostra que a jovem realmente está no caminho certo para continuar pintando. Enquanto não consegue fazer o curso de gostaria, ela usa a criatividade para estampar sua alegria através das telas.

Confira mais imagens das telas de Naiara na galeria de fotos.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563 (chame agora mesmo).

Confira a Galeria de Imagens: