ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, TERÇA  13    CAMPO GRANDE 30º

Comportamento

Torcida dos “Ceni” em MS é para ver Rogério na seleção

Técnico campeão brasileiro com Flamengo e ídolo do São Paulo possui primos na Capital; todos torcedores do "Rogério Futebol Clube"

Por Lucas Mamédio | 27/02/2021 07:05
Doemia e Rogério quando ele estava no Fortaleza, antes de assumir o Flamengo (Foto: Arquivo Pessoal)
Doemia e Rogério quando ele estava no Fortaleza, antes de assumir o Flamengo (Foto: Arquivo Pessoal)

O destino foi generoso com Rogério Ceni. Ídolo do São Paulo, teve uma passagem tão breve quanto triste como técnico em 2017, de onde saiu pela porta dos fundos após ter recebido sua primeira oportunidade com esse status. Foi contra o mesmo São Paulo, apesar da derrota, que o ex-goleiro foi campeão brasileiro nesta quinta-feira (25) pela primeira vez em sua vida, dessa vez comandando o Flamengo.

O que pouca gente sabe é que Rogério tem uma relação bem próxima com Campo Grande, onde é repleto de primos. E por aqui todo mundo torce por ele, e já vislumbram a possibilidade do jovem treinador assumir a seleção brasileira no futuro.

Doemia Ceni é prima de primeiro grau de Rogério, o pai de ambos são irmãos e ex-goleiros, ou seja, está no sangue. Em Campo Grande desde 1974, conviveu com o primo mais intensamente na infância, em Chopinzinho, no interior do Paraná, onde ele passou parte da infância.

Dudu e Rogério em sua passagem como treinador pelo São Paulo (Foto: Arquivo Pessoal)
Dudu e Rogério em sua passagem como treinador pelo São Paulo (Foto: Arquivo Pessoal)

“Logo depois eu vim para Campo Grande com meu pai e a família dele foi para Sinop, no norte de Mato Grosso, onde começou no futebol”.

Doemia conta que quando a família de Rogério descia para o Paraná, sempre passava em Campo Grande. “Família italiana é sempre muito unida e calorosa, então sempre mantivemos um laço forte”.

Apesar da migração para outros estados, a família Ceni tem origem gaúcha e como tal mantiveram a tradição de torcer por um dos grandes locais Inter e Grêmio, no caso são todos colorados.

“Foi complicado torcer contra o Inter. Primeiro por conta dessa questão familiar, depois porque tinha que torcer pelo Corinthians, rival histórico do São Paulo, time que aprendemos a torcer por tantos anos”, explica Doemia sobre a última rodada que reservou muitas coincidências para a família.

“Sempre mando mensagem para ele, nos falamos nessa quinta. Desejo sempre sorte antes dos jogos. Ele é uma pessoa muito amável, sempre responde, agradece”, disse Doemia.

Irmã de Doemia, Mirta Ceni morou por décadas em Campo Grande, mas hoje vive na Bahia. “Em minha casa nós torcemos todos pelo Rogério futebol clube (risos). Mesmo às vezes ficando muito dividida , o Inter e o time que aprendi torcer desde criança , o São Paulo e o time que aprendemos gostar por causa do Rogério , meu filho e um fanático são-paulino”.

Na foto estáo Amauri Ceni, Rogério Ceni, Barbara Ceni, Talita Ceni, Raphael Ceni, Gabriel Ceni, Doemia Ceni e Talia De Simone Ceni. (Foto: Arquivo Pessoal)
Na foto estáo Amauri Ceni, Rogério Ceni, Barbara Ceni, Talita Ceni, Raphael Ceni, Gabriel Ceni, Doemia Ceni e Talia De Simone Ceni. (Foto: Arquivo Pessoal)

Dudu Ceni, o filho de Mirta sempre acompanhou o Rogério. "Inclusive é o que vai recebê-lo no aeroporto".

Apesar da torcida inexorável, o contato frequente é complicado. “Ele vive trabalhando. Tenho mais contato com os irmãos dele e o pai , até mesmo os irmãos se veem pouco”.

A torcida das duas é para que Rogério continue vencendo e que um dia chegue à seleção brasileira. “Ele já é merecedor, sempre foi muito determinado, desde criança, então temos certeza que vai chegar lá e que vai fazer bonito”, finaliza Doemia.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário