ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUARTA  15    CAMPO GRANDE 19º

Consumo

Mulheres trocam couro de peixe por máscaras de algodão em Corumbá

Marca Amor Peixe, conhecida por fabricar produtos com couro de peixe, agora fabrica máscaras com desenhos de peixes para ter renda

Por Lucas Mamédio | 21/06/2020 07:34
Francisca com os produtos de couro de peixe antes da pandemia (Foto: Arquivo Pessoal)
Francisca com os produtos de couro de peixe antes da pandemia (Foto: Arquivo Pessoal)

Todo mundo já incorporou em sua rotina a utilização das máscaras. Lembro que no começo ainda ficávamos com dúvidas sobre como e quando usar, quais eram mais eficazes, tudo era uma incógnita.

Porém, já chegamos ao estágio em que temos uma variedade imensa de estilos de máscaras e nossa única preocupação parece ser se ela vai combinar com a roupa que estamos no dia.

As mulheres agora pintam os peixes sobre os tecidos (Foto: Arquivo Pessoal)
As mulheres agora pintam os peixes sobre os tecidos (Foto: Arquivo Pessoal)

Em Corumbá, região conhecida nacionalmente pelo turismo de pesca, a Associação de Mulheres Reciclando Peixe, criadora da marca Amor-Peixe, que confecciona vários produtos a partir do couro de peixes, mudou ou foi quase forçada a mudar o material de trabalho.

Agora, em vez de fazer bolsas, carteiras, acessórios, as máquinas de costura produzem máscaras de tecido para comercialização na região de Corumbá.

“A maior parte de nossa venda vinha do movimento dos turistas, que praticamente acabou por conta da pandemia. Como já temos mão de obra qualificada, a alternativa, há cerca de dois meses, foi a confecção de máscaras”, explica Francisca Garcia da Silva, uma das líderes da associação.

A instituição cooperativa é constituída, atualmente, por cinco mulheres. A produção atual de máscaras gira em torno de 50 por dia. “Não cobre a renda que tínhamos anteriormente, mas já ajuda”, completa Francisca.

Apesar de o material ser outro, os peixes continuam gravados nas máscaras por meio de desenhos. São vários desenhos que aludem às espécies do pantanal. Eles são gravados nas máscaras por um processo de desenho 3D.

São cerca de 50 máscaras por dia (Foto: Arquivo Pessoal)
São cerca de 50 máscaras por dia (Foto: Arquivo Pessoal)

Fundada em 2003, a associação faz aproximadamente 45 produtos diferentes. Entre eles: bolsas, carteiras femininas e masculinas, porta moedas, porta celular, pulseiras, capa de agendas, brincos, colares, chaveiros ou que mais a criatividade delas permitir.

Os peixes mais utilizados no curtimento são o Curimatã, Tambaqui, Tilápia do Nilo, Carpa Comum, Carpa Prateada, Carpa Cabeça Grande, Carpa Capim, Dourado, Peroá, Pacú, Tainha, Corvina, Linguado, Cação. Na Associação Amor Peixe a principal matéria-prima é a pele de tilápia que passa por mais de 15 etapas até estar pronta para iniciar o trabalho.

As máscaras estão custando de R$ 5 a R$ 10 dependendo do modelo. Para mais informações é possível entrar em contato pelo WhatsApp (67) 9959-6112.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.