ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  20    CAMPO GRANDE 32º

Lado Rural

Escolha do suplemento ideal para o rebanho evita prejuízos na estiagem

Preservação do pasto aliada à suplementação adequada garante o bom desempenho no período da seca

Por José Roberto dos Santos | 17/05/2024 13:05
Gado se alimenta de suplementos no cocho; importante que tenha proteína, ureia e proteíco na composição. (Foto: Arquivo/Embrapa)
Gado se alimenta de suplementos no cocho; importante que tenha proteína, ureia e proteíco na composição. (Foto: Arquivo/Embrapa)

Manter o desempenho do rebanho durante o período de estiagem tem sido um desafio para os pecuaristas, que procuram soluções eficazes para minimizar as perdas dessa época. A fase de transição das chuvas para a seca é parte importante do ciclo produtivo, por isso é essencial que o pecuarista esteja preparado para evitar prejuízos.

“Esse é um período de diminuição das chuvas, fato que ocorre sazonalmente em grande parte do território nacional, e por isso a perda na qualidade e quantidade das pastagens pode ser impactante para animais em regime de pastejo, caso não haja preparo adequado”, afirma a médica veterinária da Connan, Júlia Marques.

No caso das pastagens, as principais consequências da estiagem são a perda de qualidade e quantidade de pasto disponível, que tendem a mudar do tom esverdeado para o amarelado, revelando sua diferente composição. “O pasto perde digestibilidade por causa do aumento de fibra indigestível, além de seu teor de proteína ser reduzido. Como resultado, a suplementação se torna ainda mais necessária para manter o consumo de alimentos, saúde e desempenho de todo o rebanho”, explica a coordenadora.

Rebanho bovino criado a pasto; estratégias de manejo devem acontecer na transição de períodos das chuvas para a seca. (Fotos: Arquivo/Embrapa)
Rebanho bovino criado a pasto; estratégias de manejo devem acontecer na transição de períodos das chuvas para a seca. (Fotos: Arquivo/Embrapa)

Vedação de pastagens

Uma das alternativas encontradas pelos pecuaristas para minimizar a diminuição de pasto disponível é a vedação, uma técnica que consiste em selecionar algumas áreas da fazenda e impedir o acesso dos animais. Esse método preserva as pastagens durante o período das chuvas para que estejam intactas quando chegar a seca. A vedação deve ser feita em até 60 dias antes do término do período de chuvas e início da estiagem.

“Essa estratégia preserva a massa de forragem que é essencial para a nutrição dos bovinos, fonte de fibra e energia. Mesmo que esteja seca, é possível seu aproveitamento combinado com o uso de suplementos formulados para o período seco, que complementam a alimentação e fornecem nutrientes essenciais como vitaminas, minerais, aminoácidos ou ricos em energia”, ressalta Júlia.

Segundo ela, os produtos indicados para este período possuem ingredientes e níveis de inclusão que propiciam melhor consumo, levando em consideração as condições dos pastos durante as secas. “É importante que os suplementos para a estiagem tenham proteína em sua composição, seja pela ureia ou por farelos proteicos, para suprir as faltas nutricionais das pastagens secas”, enfatiza.

Troca na transição das estações

A médica-veterinária ainda esclarece que o melhor momento da troca do suplemento escolhido para as chuvas para o das secas é durante o período de transição, quando os pastos ainda se encontram verdes, para evitar quedas de desempenho.

“A troca deve ser realizada de maneira gradual, para que haja boa adaptação dos animais. É recomendado que, durante a primeira semana, o produtor misture um saco do suplemento novo com dois sacos do antigo, aumentando a proporção na segunda semana para dois sacos do novo para um do utilizado anteriormente. A partir da terceira semana, é possível fornecer o suplemento novo puro no cocho”, recomenda Júlia Marques.

Nos siga no Google Notícias