ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 23º

Meio Ambiente

Obras turvam água do Rio da Prata e fazendeiro é multado em R$ 330 mil

Segundo a PMA, máquinas que abriam as estruturas de terra foram apreendidas

Por Lucia Morel | 23/03/2021 19:42



Drenos que estavam sendo abertos em propriedade rural de Bonito, a 257 Km de Campo Grande e causavam a turbidez das águas do Rio Prata foram identificados pela PMA (Polícia Militar Ambiental) e o dono da fazenda foi multado em R$ 330 mil. Segundo a corporação, máquinas que abriam as estruturas de terra foram apreendidas.

Após denúncias de que com as chuvas recentes, o rio da Prata estava ficando turvo, os policiais começaram diligências para descobrir a razão e acabaram localizando hoje, em uma fazenda a 45 km da cidade de Bonito, a causa do problema. No local, estavam sendo feitas reforma, construção e ampliação de drenos.

O trabalho, que contava com uma máquina pá-carregadeira e um trator, estavam em desacordo com a licença ambiental. Ao todo, a PMA identificou 23 drenos por imagens de satélites, mas o produtor infrator possuía a licença de operação para a reforma de apenas dois deles.

Ao todo foram reformados 461 metros de drenos sem licença e ainda, a construção de um dreno de 106 metros e mais 182 metros de vegetação danificada pela máquina e já preparada para continuidade da construção deste último dreno.  A vegetação suprimida ao longo dos drenos é de espécies típicas de APP (Área Protegida de Preservação Permanente), do tipo vereda.

Segundo o autuado, a construção e reforma dos drenos foram com a finalidade de realizar a expansão da agricultura (soja). As máquinas foram apreendidas e as atividades foram interditadas. O órgão ambiental será informado sobre o descumprimento das condicionantes da licença ambiental.

De novo - no ano de 2016, quando a PMA realizou uma grande operação, quando vários donos de propriedades rurais foram autuados pelo mesmo problema, um arrendatário desta mesma fazenda foi autuado pelo mesmo motivo.

Desta vez, o proprietário, um pecuarista e empresário de 36 anos, foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 330 mil. Ele também responderá por crimes ambientais e poderá pegar pena de prisão de um a três anos por crime ambiental por destruir área de preservação permanente e mais um a seis meses de detenção por construir atividade poluidora sem autorização do órgão ambiental.

O autuado também foi notificado a apresentar um Plano de Recuperação da Área Degradada e Alterada (PRADA), junto ao órgão ambiental. Os autos também serão encaminhados ao Ministério Público para possível abertura de ação civil pública de reparação dos danos ambientais.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário