ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEGUNDA  24    CAMPO GRANDE 22º

Meio Ambiente

Pesquisa analisa fezes de tatu por 10 anos e revela novo papel no Pantanal

Além da dieta à base de cupim, tatu-canastra auxilia na dispersão de sementes e controle de pragas

Por Silvia Frias | 10/05/2024 11:55
Fezes do tatu-canastra foram analisadas a longo de quase 10 anos por pesquisadores (Foto/Divulgação)
Fezes do tatu-canastra foram analisadas a longo de quase 10 anos por pesquisadores (Foto/Divulgação)

Estudo do Icas (Instituto de Conservação de Animais Silvestres) explorou os hábitos alimentares do tatu-canastra no Pantanal da Nhecolândia e descobriu que ele não é apenas um comedor de cupins e formigas. A análise das fezes identificou frutas, plantas e invertebrados, mostrando que o animal contribui para a dispersão de sementes e controle de pragas agrícolas.

Também conhecido como tatuaçu ou tatu gigante, o animal é característico do Cerrado, sendo um dos maiores. Pode chegar a 1,5 metro de comprimento e pesar 60 quilos.

O estudo foi coordenado pelo programa de conservação do tatu-canastra, sendo realizado ao longo de 10 anos na região da Fazenda Baía das Pedras, no Pantanal. Foram coletadas e analisadas 113 amostras fecais de 29 animais. O resultado foi publicado na revista científica polonesa Mammal Research.

Cupim encontrado nas fezes do tatu-canastra (Foto/Divulgação)
Cupim encontrado nas fezes do tatu-canastra (Foto/Divulgação)

O trabalho da coordenadora científica do Icas, Nina Attias, tinha como objetivo compreender a dieta dessa espécie desse animal e determinar se eram somente mirmecófagos, ou seja, especializados em se alimentar de cupins e formigas.

A pesquisa identificou que o animal tem cupins e formigas como base da dieta, mas também se alimenta de uma variedade surpreendente de invertebrados e plantas, tendo um “comportamento oportunista”.

A ingestão de frutas, por exemplo, sugere papel importante na dispersão de sementes no ambiente, fato que tem efeito positivo para regeneração e manutenção da vegetação nativa do Pantanal.

Outro aspecto importante deste estudo foi a descoberta do papel no controle de pragas agrícolas, já que os tatus se alimentam de tipo de formiga que costuma atacar culturas. “Ao consumir essas formigas, os tatus-canastra desempenham um papel crucial no controle biológico de pragas, reduzindo potencialmente a necessidade de pesticidas prejudiciais ao meio ambiente”, Nina Attias.

Espécie de formiga encontrada na pesquisa: auxílio no controle de pragas (Foto/Divulgação)
Espécie de formiga encontrada na pesquisa: auxílio no controle de pragas (Foto/Divulgação)

Segundo a pesquisadora, compreender os hábitos alimentares desses animais possibilita a implementação de medidas mais eficazes para garantir sua preservação.

“Ao destacar os diversos serviços ecossistêmicos prestados pelos tatus-canastra, demonstramos como sua conservação beneficia não apenas a biodiversidade, mas também a sociedade como um todo, causando um efeito positivo para o meio ambiente e até mesmo para a economia dos proprietários de fazendas”, diz.

De acordo com a Embrapa Pantanal, mais de 90% da área do Pantanal pertence à iniciativa privada, informou o Icas.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias