ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, SEGUNDA  08    CAMPO GRANDE 22º

Meio Ambiente

Recuperada, onça-pintada solta no Pantanal já atravessou o Rio Paraguai a nado

Monitoramento feito com colar especial, que tem um GPS, identificou também que ela comeu uma capivara na noite de sábado

Por Lucia Morel | 25/01/2021 17:42
Onça no dia em que foi solta; atenta a tudo ao redor. (Foto: Governo de MS)
Onça no dia em que foi solta; atenta a tudo ao redor. (Foto: Governo de MS)

A onça pintada que voltou para casa na semana passada, após dois meses e meio em tratamento no Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), já atravessou o Rio Paraguai a nado, mostrando que está saudável nesses primeiros dias após ser solta.

Monitoramento feito com colar especial, que tem um GPS, identificou além da travessia a nado, que o animal comeu uma capivara na noite de sábado, sendo seu primeiro alimento depois do retorno ao seu habitat, na quinta-feira à tarde.

Sérgio Barreto, biólogo e coordenador de monitoramento ambiental do IHP (Instituto do Homem Pantaneiro), responsável pelo acompanhamento da onça, diz que “ela também está se deslocando de forma bem ativa, o que nos deixa bastante animados em relação à sua reintrodução à natureza”, descreveu.

Ela foi solta no mesmo local onde foi capturada, no começo de novembro de 2020, quando foi encontrada bastante queimada, debilitada e doente. As primeiras informações do animal motivam os pesquisadores e cuidadores.

“Ótimo sinal e indica que sua recuperação foi total”, relata o médico veterinário do ras, Lucas Cazati, que foi o responsável pelo tratamento do animal.

Ele ainda mencionou que o fato dela ter atravessado o rio a nado mostra a recuperação do seu quadro pulmonar, que antes a colocava em risco de morte. “Se ela conseguiu fazer esta travessia nos mostra a sua boa disposição física e reforça nossa avaliação que o animal estava sadio e preparado para ser solto”.

Sobre sua alimentação, o veterinário destacou que após comer a capivara, a onça pode ficar até três dias sem se alimentar, fazendo a devida digestão. “A capivara deveria ter entre 25 a 30 quilos, ela (onça) deve ter comido o animal inteiro, por isso vai ficar alguns dias sem precisar de alimentação, depois volta a caça novamente”, explicou Cazati.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário