ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, QUARTA  25    CAMPO GRANDE 26º

Política

Alvo de Operação, empresário João Baird está preso na PF

Inquérito que tramita no STJ (Superior Tribunal de Justiça) investiga as denúncias da J&F

Por Gabriel Neris e Geisy Garnes | 12/09/2018 15:44
Irmão de João Baird foi até a Superintendência da PF na tarde desta quarta-feira (Foto: Geisy Garnes)
Irmão de João Baird foi até a Superintendência da PF na tarde desta quarta-feira (Foto: Geisy Garnes)

O empresário João Roberto Baird, um dos alvos da operação Vostok, deflagrada nesta quarta-feira (12) já está preso na Superintendência da PF (Polícia Federal), em Campo Grande. O inquérito que tramita no STJ (Superior Tribunal de Justiça) investiga as denúncias da J&F, controladora da JBS, sobre a troca de incentivos fiscais por propinas em Mato Grosso do Sul.

O irmão do empresário, João Queiroz Baird, saiu no início desta tarde da Superintendência onde foi saber notícias sobre a prisão do irmão. "Vim como família, o sangue que corre nas veias dele corre na minha", comentou ao deixar o local.

Conforme as investigações, na planilha entregue na delação à operação Lava Jato, Wesley e Joesley Batista relataram que o modelo de pagamento por meio de Tares (Termos de Acordo de Regime Especial) surgiu ainda na gestão de Zeca do PT, foi mantida por André Puccinelli (MDB) e prosseguiu com Reinaldo Azambuja (PSDB).

Os delatores indicaram pagamentos por meio de notas frias ao atual governador, além da entrega de R$ 10 milhões em mãos. As notas do frigorífico Buriti foram emitidas entre 10 de março e 15 de julho de 2015, totalizando R$ 12.903.691,06.

Outros R$ 15.497.109,40 foram fornecidos por meio de notas falsas. Os emissores foram o pecuarista Elvio Rodrigues (R$ 7,6 milhões), Rubens Massahiro Matsuda (R$ 383 mil), Agropecuária Duas Irmãs Ltda (R$ 886 mil), o deputado estadual José Roberto Teixeira (R$ 1,6 milhão), Miltro Rodrigues Pereira (R$ 1 milhão).

Além de Zelito Alves Ribeiro (R$ 1,7 milhão), o ex-deputado estadual Osvane Aparecido Ramos (R$ 847 mil), Francisco Carlos Freire de Oliveira (R$ 583 mil), o ex-prefeito Nelson Cintra Ribeiro (R$ 296 mil); e o conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado), Márcio Monteiro (R$ 333 mil). Os nove estão na lista dos mandados de prisão temporária, com validade de cinco dias.

 

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário