ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 23º

Política

Advogado de preso pela PF vai apelar ao STF por liberdade

Operação é relativa ao inquérito que tramita no STJ sobre as denúncias da J&F

Gabriel Neris e Ricardo Campos Jr. | 12/09/2018 14:22
Policiais federais chegam na Superintendência com documentos recolhidos (Foto: Marina Pacheco)
Policiais federais chegam na Superintendência com documentos recolhidos (Foto: Marina Pacheco)

Carlos Amaro, advogado de Antonio Celso Cortez, dono da empresa PSG Tecnologia Aplicada, negou que seu cliente tenha praticado qualquer ato de irregularidade e afirmou que vai ao STF (Supremo Tribunal Federal) solicitar habeas corpus para a soltura do cliente.

O empresário foi preso foi preso nesta quarta-feira (12) durante a Operação Vostok, relativa ao inquérito que tramita no STJ (Superior Tribunal de Justiça) sobre as denúncias da J&F, controladora da JBS, de troca de incentivos fiscais por propinas em Mato Grosso do Sul.

"Meu cliente nunca viu dinheiro ilícito. O que recebeu foi pelo serviço que prestou", disse ao chegar na Superintendência da PF (Polícia Federal) em Campo Grande. A prisão do empresário é temporária e vale por cinco dias.

Na planilha entregue na delação à operação Lava Jato, Wesley e Joesley Batista relataram que o modelo de pagamento por meio de Tares (Termos de Acordo de Regime Especial) surgiu ainda na gestão de Zeca do PT, foi mantida por André Puccinelli (MDB) e prosseguiu com Reinaldo Azambuja (PSDB).

Os delatores indicaram pagamentos por meio de notas frias ao atual governador, além da entrega de R$ 10 milhões em mãos. As notas do frigorífico Buriti foram emitidas entre 10 de março e 15 de julho de 2015, totalizando R$ 12.903.691,06.

Outros R$ 15.497.109,40 foram fornecidos por meio de notas falsas. Os emissores foram o pecuarista Elvio Rodrigues (R$ 7,6 milhões), Rubens Massahiro Matsuda (R$ 383 mil), Agropecuária Duas Irmãs Ltda (R$ 886 mil), o deputado estadual José Roberto Teixeira (R$ 1,6 milhão), Miltro Rodrigues Pereira (R$ 1 milhão).

Além de Zelito Alves Ribeiro (R$ 1,7 milhão), o ex-deputado estadual Osvane Aparecido Ramos (R$ 847 mil), Francisco Carlos Freire de Oliveira (R$ 583 mil), o ex-prefeito Nelson Cintra Ribeiro (R$ 296 mil); e o conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado), Márcio Monteiro (R$ 333 mil).

Os demais alvos são João Roberto Baird, que era dono da Itel Informática; José Ricardo Guitti Guimaro, conhecido como Polaco, suspeito de ser intermediário no pagamento de propina; Antonio Celso Cortez, dono da empresa PSG Tecnologia Aplicada. Mandado de busca e apreensão foi cumprido na apartamento do governador, em Campo Grande.

Nos siga no Google Notícias