A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

21/02/2013 17:30

André avisa que não vai aceitar “ultimato” no PMDB sobre candidaturas

Josemil Rocha e Carlos Martins
André se autodenominou hoje de Pelé eleitoralAndré se autodenominou hoje de "Pelé eleitoral"

O governador André Puccinelli (PMDB) disse esta manhã que não vai aceitar “ultimato” de nenhum correligionário quanto às candidaturas que seu partido lançará em 2014. À pergunta sobre eventual pressão do ex-prefeito Nelsinho Trad, pré-candidato a governador, e da vice-governadora Simone Tebet pela definição da chapa, André respondeu: “Ninguém dá ultimato no André. Se der, porta aberta é a serventia da casa”.

André evidenciou, porém, descrença quanto a enfrentamentos internos no PMDB, acreditando que a solução sobre a composição da chapa majoritária (governo do Estado e Senado) será consensual. Para ele, ninguém se arriscaria a deixar o PMDB para buscar aventuras eleitorais em outros partidos. “Se alguém sair do PMDB estará fazendo burrice, seja candidato a governador, senador, vereador ou a qualquer coisa”, afirmou o chefe do Executivo estadual.

André participou hoje da abertura do Encontro Estadual de Gestores Municipais de Assistência Social de Mato Grosso do Sul, no Grand Park Hotel, e no final da reunião conversou com os jornalistas.

Indagado se vem fazendo pesquisas para se decidir se vai ou não ser candidato a senador, Puccinelli desconversou: “Pesquisa... Dou banho de bola em todo mundo. O Pelé eleitoral não quer ser senador, vai permitir que haja renovação”. Reafirmou, em tom descontraído, que prefere cuidar dos netos do que disputar vaga para o Senado.

Embora tenha o comando político do PMDB, André declarou ser do seu partido a decisão sobre sua participação ou não nas próximas eleições. “Se meu partido permitir, vamos pegar a gurizada nova para estimular a política estadual”, disse André.

Comissão eleitoral

Durante a entrevista, o governador André Puccinelli anunciou que, caso não seja candidato a senador, deverá criar uma comissão especial para fazer articulações políticas visando sua sucessão. Os integrantes dessa comissão teriam a missão de decidir se terá viabilidade a chapa Nelsinho Trad para governador e Simone Tebet para senadora, ou vice-versa. “Na hora que eu decidir que não sou mais candatido, vou dizer para eles, a responsabilidade é de vocês”, explicou Puccinelli. “E aí vou ser presidente honorário desse comissão para ser consultado, se me consultarem”, emendou.

Apesar de relativizar seu papel nessa comissão, André garante que estará pronto a colaborar, se seus companheiros quiserem compor alianças eleitorais. Advertiu, porém, que a responsabilidade será desse coletivo. “A responsabilidade do fumo ou não fumo é deles”, declarou o governador.

André reafirmou que até o dia 31 de março decidirá se vai ou não ser candidato a senador no ano que vem.

 

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions