A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

27/02/2013 19:56

Câmara acaba com 14º e 15º salários; é fim de "privilégio", diz Fábio Trad

Zemil Rocha
Fábio quer continuidade de votações moralizadoras (Foto: Arquivo)Fábio quer continuidade de votações moralizadoras (Foto: Arquivo)

O Plenário aprovou, por unanimidade, o Projeto de Decreto Legislativo 569/12, do Senado, que acaba com a ajuda de custo para os parlamentares no início e no final de cada ano. Essa ajuda é conhecida como 14º e 15º salários. A votação foi simbólica, tendo bastado o aval dos líderes partidários.

Na bancada federal de Mato Grosso do Sul no Congresso Nacional, dos 11 parlamentares, apenas dois, o deputado federal Fábio Trad (PMDB) e o senador Wlademir Moka (PMDB), devolveram as verbas dessas duas ajudas de custo. Houve, inclusive, polêmica em relação à atitude dos dois, com o deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM), chamando-os de “demagogos”.

Nesta noite, após a aprovação, Fábio Trad desabafou: “Foi votação simbólica, com assinatura de todos os lideres partidários. Portanto mesmo aqueles que chamaram a mim e o Moka de demagogos votaram a favor do fim desse privilégio ignominioso”.

Com a aprovação do projeto extintivo, o benefício de ajuda de custo será pago somente no primeiro e no último mês dos mandatos de deputado (de quatro anos) e de senador (oito anos). Durante a votação, o painel eletrônico registrou a presença de 476 deputados.

A matéria vai a promulgação. O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, agradeceu o apoio dos deputados. “Parabéns a este Plenário, que resgata a altivez dessa Casa”, afirmou.

Para Fábio Trad, foi uma decisão que aproxima o Congresso Nacional da sociedade e que impulsiona os parlamentares a continuar avançando em uma pauta mais arrojada. “Por isso é preciso agora votarmos o fim do voto secreto , o caráter impositivo das emendas parlamentares, para resguardar a independência do legislador e aprovarmos o novo Processo civil e Código Penal, para aperfeiçoarmos duas legislações que estão anacrônicas”, disse o deputado sul-mato-grossense.

As ajudas de custo aos parlamentares foram criadas pela Constituição de 1946, quando a capital era ainda no Rio de Janeiro, com o objetivo de custear as viagens, que eram mais difíceis naquela época. A partir da Constituição de 1988, não constou mais no texto a referência à ajuda, que passou a ser disciplinada em legislação infraconstitucional.

 

 

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


TEMOS QUE SER IGUAIS PERANTE DEUS E A LEI e acabar com privilégios dos POLITICOS LEGISLANDO EM CAUSA PRÓPRIA.... o direito do povão deve ser igual dos politicos pois eles trabalham para a comunidade e não pra ENRIQUECIMENTO ILÍCITO,
 
MATEUS COSTA em 28/02/2013 09:06:08
Parabéns, deputado pela iniciativa, fico feliz em AINDA ver politicos coerentes, que não pensam só neles...pois milhares de trabalhadores não possuem esta honrosa premiação!!!
 
ADRIANA ALVES PEREIRA em 28/02/2013 07:10:01
Até que enfim tomaram consciência de que estavam lesando a população em geral,ainda faltam muitas outras coisas para eles poderem agir com responsabilidade e caráter que aliás
isso é uma obrigação já que eleitos para servir ao povo e não ser servido.
 
EVANGELISTA LAURINDO FERREIRA em 27/02/2013 20:22:43
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions