A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

05/12/2012 07:24

Campo Grande teve a 9ª campanha mais cara entre as capitais

Fabiano Arruda
Gastos de Edson Giroto estão entre os 15 mais altos entre candidatos a prefeito nas capitais. (Foto: arquivo)Gastos de Edson Giroto estão entre os 15 mais altos entre candidatos a prefeito nas capitais. (Foto: arquivo)

Dos gastos entre os candidatos a prefeito nas capitais brasileiras neste ano, Campo Grande teve a nona campanha mais cara, segundo números disponíveis no site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Com 20,3 milhões investidos pelos concorrentes à Prefeitura neste ano, a Capital fica atrás, na ordem, de São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Salvador (BA), Fortaleza (CE), Curitiba (PR), Rio de Janeiro (RJ), Manaus (AM) e Cuiabá (MT).

A capital paulista teve a campanha mais cara: foram R$ 132,9 milhões. A capital de Minas Gerais, que aparece logo atrás, teve menos da metade da verba movimentada durante a eleição: R$ 45,6 milhões. Em Salvador, os postulantes à Prefeitura investiram R$ 42,9 milhões.

Campanha mais alta em Campo Grande, os R$ 9,9 milhões contabilizados por Edson Giroto (PMDB) representam o 15ª valor mais alto entre pelo menos 179 candidatos nas capitais, que informaram as despesas à Justiça Eleitoral.

O campeão isolado é Fernando Haddad (PT), prefeito eleito em São Paulo (SP), que contabilizou custos de R$ 67,9 milhões, seguido por José Serra (PSDB), seu concorrente na disputa, com R$ 33,5 milhões.

O prefeito reeleito em Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM), eleito em Salvador, Eduardo Paes (PMDB), reeleito no Rio de Janeiro, bem como Arthur Virgilio (PSDB), que se elegeu em Manaus, são outros que aparecem no rol das campanhas mais caras no País.

Só os custos das eleições nas capitais brasileiras neste ano somaram R$ 381,4 milhões.

Veja as dez campanhas mais caras entre as capitais

São Paulo (SP): R$ 132,9 milhões
Belo Horizonte (MG): R$ 45,6 milhões
Salvador (BA): R$ 42,9 milhões
Fortaleza (CE): R$ 35,9 milhões
Curitiba (PR): R$ 30,8 milhões
Rio de Janeiro (RJ): R$ 30,2 milhões
Manaus (AM): R$ 29,2 milhões
Cuiabá (MT): R$ 28,4 milhões
Campo Grande (MS): R$ 20,3 milhões
Vitória (ES): R$ 16,4 milhões

As 15 campanhas mais caras entre os candidatos a prefeito nas capitais:

Fernando Haddad (PT), São Paulo (SP): R$ 67,9 milhões
José Serra (PSDB), São Paulo (SP): R$ 33,5 milhões
Márcio Lacerda (PSB), Belo Horizonte (MG): R$ 28,1 milhões
Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM), Salvador (BA): R$ 21,9 milhões
Gabriel Chalita (PMDB), São Paulo (SP): R$ 21,5 milhões
Eduardo Paes (PMDB), Rio de Janeiro (RJ): R$ 21,2 milhões
Nelson Portela (PT), Salvador (BA): R$ 19,6 milhões
Roberto Bezerra (PSB), Fortaleza (CE): R$ 18,5 milhões
Patrus Ananias (PT), Belo Horizonte (MG): R$ 17,4 milhões
Luciano Ducci (PSB), Curitiba (PR): R$ 14,3 milhões
Mauro Mendes (PSB), Cuiabá (MT): R$ 13,463 milhões
Vanessa Grazziotin (PCdoB), Manaus (AM): R$ 13,423 milhões
Artur Virgilio (PSDB), Manaus (AM): R$ 11,7 milhões
Elmano de Freitas (PT), Fortaleza (CE): R$ 11,6 milhões
Edson Giroto (PMDB), Campo Grande (MS): R$ 9,9 milhões



Fica difícil de entender esses gastos para campanhas eleitorais, quando dizem que não há dinheiro para educação e saúde. Principalmente para o MS que tem o PIB menor que do que o Estado do Maranhão. De onde será que vem tanto dinheiro?
 
Olavo Nunes em 05/12/2012 09:55:32
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions