ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUARTA  23    CAMPO GRANDE 29º

Política

Caravana de MS acampa perto de estádio para acompanhar julgamento de Lula

No fim da jornada para Porto Alegre, presidente da CUT foi preso e ônibus apreendido

Por Aline dos Santos | 24/01/2018 11:09
Grupo de MS está acampado no Rio Grande do Sul para defender Lula. (Foto: Direto das Ruas)
Grupo de MS está acampado no Rio Grande do Sul para defender Lula. (Foto: Direto das Ruas)

Com o mantra “eleição sem Lula é fraude” repetido à exaustão, grupo que viajou de Mato Grosso do Sul acompanha nesta quarta-feira (dia 24) em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, o julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no TRF 4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Os defensores do ex-presidente estão acampados ao lado do estádio Beira Rio, do Internacional. “Tem muita gente. Não faço noção de quantas pessoas. O clima está legal, pacífico e com muita segurança”, afirma Maria Alzenir da Silva, da CUT Rural (Central Única dos Trabalhadores).

A jornada começou no fim da tarde de segunda-feira (dia 22), quando três ônibus, com média de 120 pessoas, saíram de Campo Grande. Cerca de dez carros particulares também rumaram da Capital, Dourados e Mundo Novo para Porto Alegre.

A viagem tem duração de 25 horas. Conforme a assessoria de imprensa do PT em Mato Grosso do Sul, os veículos foram alugados com contribuição do partido, apoio de entidades, rifa e vaquinha online. O valor não foi divulgado.

O acampamento na capital do Rio Grande do Sul é organizado pelo MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra), com café da manhã a R$ 5 e almoço por R$ 12.

Prisão – Na madrugada de hoje, um dos veículos, da empresa Outo e Prata Turismo, foi apreendido na região metropolitana de Porto Alegre. “Nosso ônibus estava com um alvará vencido e não poderia ter saído do Estado, mas gente não sabia”, diz Maria Alzenir.

A CUT busca um outro ônibus para retorno dos manifestantes a Mato Grosso do Sul. A vistoria no ônibus também resultou na prisão do presidente da CUT-MS, Genilson Duarte, que tinha mandado de prisão, aberto desde 2015, em uma ação cível relacionada à questão sindical. A reportagem não conseguiu contato com a empresa, com sede no RS.

Julgamento – Nesta quarta-feira, Lula é julgado por três desembargadores federais. Sentença do juiz Sergio Moro, que condenou o petista a nove anos e meio de prisão por receber propina por meio de triplex no Guarujá (São Paulo). Lula recorreu, enquanto o Ministério Público quer aumento de pena.

Se a condenação for confirmada pelo TRF, o ex-presidente poderá ser preso depois que todas as instâncias de recursos acabarem. O resultado também influi nas Eleições 2018, pois Lula já se perfilou como pré-candidato.