ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 19º

Política

Comissão adia votação de projeto sobre cigarros eletrônicos de senadora de MS

A votação foi postergada novamente por um requerimento do senador Mecias de Jesus (Republicanos-RR)

Por Ângela Kempfer | 09/07/2024 14:07
Autora do projeto, senadora sul-mato-grossense Soraya Thronicke durante sessão. (Foto: Assessoria)
Autora do projeto, senadora sul-mato-grossense Soraya Thronicke durante sessão. (Foto: Assessoria)

A votação do Projeto de Lei (PL) 5.008/2023, que regulamenta a produção, comercialização, fiscalização e propaganda de cigarros eletrônicos no Brasil, foi novamente adiada pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado nesta terça-feira (9). A matéria, de autoria da senadora Soraya Thronicke (Podemos), poderá ser votada no dia 20 de agosto.

A proposta já havia sido incluída na pauta de 11 de junho, mas a senadora Damares Alves (Republicanos-DF) solicitou um adiamento da discussão, aprovado simbolicamente. Hoje, a votação foi postergada novamente por um requerimento do senador Mecias de Jesus (Republicanos-RR). Após a CAE, o texto será analisado pela Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor do Senado.

O PL de Thronicke impõe diversas exigências para a comercialização dos dispositivos eletrônicos para fumar, incluindo a necessidade de laudo de avaliação toxicológica para registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e cadastros na Receita Federal e no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). O relator do projeto, senador Eduardo Gomes (PL-TO), também aceitou uma emenda que aumenta a multa para venda de cigarros eletrônicos a menores de idade de R$ 10 mil para R$ 20 mil.

Além disso, o projeto proíbe a adição de vitaminas, cafeína, taurina, substâncias colorantes, aditivos com vitamina E, óleos minerais, vegetais, gordura animal ou outros considerados impróprios para aquecimento e inalação. Caso aprovada, a regulamentação sujeitará o consumo de cigarros eletrônicos às mesmas restrições dos cigarros convencionais, proibindo seu uso em locais fechados e a venda para menores de 18 anos.

Desde 2009, a Anvisa proíbe a regulamentação de cigarros eletrônicos no Brasil. Em abril, a agência decidiu manter essa vedação, o que impede qualquer modalidade de importação desses produtos, inclusive para uso pessoal. A resolução da Anvisa que proíbe a fabricação, importação, comercialização, distribuição, armazenamento, transporte e propaganda desses dispositivos está disponível online.

Os cigarros eletrônicos, também conhecidos como vape, pod, e-cigarette, e-ciggy, e-pipe, e-cigar e heat not burn (tabaco aquecido), têm se popularizado entre os jovens, apesar da proibição de sua comercialização no Brasil. Esses dispositivos, que utilizam uma bateria recarregável e refis líquidos, geram vapor através do aquecimento do líquido que pode conter nicotina, propilenoglicol, glicerina, flavorizantes e outras substâncias químicas.

Nos siga no Google Notícias