ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Política

Conforme previsto, eleição no TCE não tem chapas registradas e não ocorrerá

Conselheiros substitutos não têm poder de voto

Jéssica Benitez | 14/12/2022 13:54
Fachada do Tribunal de Contas do Estado (Foto Assessoria)
Fachada do Tribunal de Contas do Estado (Foto Assessoria)

Eleições que ocorreriam nesta sexta-feira (16) para escolha do novo presidente do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul) foram enterradas por ausência de registro de chapa. O prazo para que conselheiros se candidatassem acabou às 13h desta quarta-feira (14) sem nenhum nome ser colocado para disputa.

Os planos foram frustrados dias após a Polícia Federal deflagrar a Terceirização de Ouro, fase da Operação Mineração de Ouro, que culminou no afastamento de três conselheiros Waldir Neves, Ronaldo Chadid e o então presidente do Tribunal, Iran Coelho das Neves, que renunciou ao cargo nesta segunda-feira (12), quatro dias antes de findar seu mandato.

Jerson Domingos assumiu interinamente e deve ficar na função por 180 dias, prazo em que termina o afastamento dos outros integrantes da Corte. Com o possível retorno dos três, o pleito poderá ocorrer. Lembrando que os conselheiros substitutos não têm poder de voto.

Mesmo sem eleição, na sexta-feira haverá sessão extraordinária já convocada por Domingos. O intuito é formalizá-lo como presidente interino. O Tribunal encerrou as atividades em plenário na sessão desta quarta.

Operação - A investigação apontou lavagem de mais de R$ 100 milhões por meio de licitações fraudulentas, desde processos para compra de brigadeiros até fazenda fora de Mato Grosso do Sul. Chadid, Neves e Osmar Jeronymo foram alvo de mandado no ano passado.

Nos siga no Google Notícias