A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

27/09/2016 21:30

Debate reúne todos os 15 candidatos a prefeito da Capital

Ricardo Campos Jr. e Leonardo Rocha
Candidatos no palco do debate do SBT (Foto: Alcides Neto)Candidatos no palco do debate do SBT (Foto: Alcides Neto)

Todos os 15 candidatos a prefeito de Campo Grande compareceram ao debate organizado e transmitido pelo SBT MS nesta terça-feira (27). O confronto, que começou há pouco, está sendo realizado no auditório do Sesc Horto diante de um auditório lotado e cerca de 250 pessoas de torcidas de alguns dos concorrentes assistindo do lado de fora pelo telão.

A mediação será feita pelo jornalista do SBT Brasília Alex Gusmão. O programa tem duração prevista de duas horas e meia divididas em quatro blocos. O primeiro será de apresentação e os três restantes com perguntas entre os participantes.

Por conta do evento a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) interditou a Rua Anhanduí, em frente ao auditório, entre as ruas Joel Dibo e Ernesto Geisel. No local há também uma viatura do Corpo de Bombeiros para quaisquer incidentes e três motos da PM (Polícia Militar).

No auditório foi permitida a entrada de assessores e jornalistas previamente cadastrados. Na rua, comerciantes e vendedores ambulantes aproveitaram para lucrar vendendo comida e bebida aos cabos eleitorais e às torcidas dos candidatos.

Antes do debate, o candidato a reeleição Alcides Bernal (PP) disse que esse debate é importante para mostrar “quem é quem nessa eleição”.

Torcida dos candidatos se aglomeram no lado de fora do Sesc Horto (Foto: Alcides Neto)Torcida dos candidatos se aglomeram no lado de fora do Sesc Horto (Foto: Alcides Neto)

Alex do PT disse que apresentará durante o debate projetos e formulou perguntas gerais, que podem ser feitas para qualquer um dos adversários. “Não vejo como questões direcionadas. Parta quem tiver que perguntar, vou perguntar”, afirma.

Aroldo Figueiró (PTN) disse que em debates como esse, a população consegue ver o preparo de cada candidato. “Vou usar os argumentos que tenho em minha cabeça, e não estratégias elaboradas por marqueteiros”.

Athayde Nery (PPS) afirma que o debate é um momento de reflexão e em relação ao voto, o eleitor está muito rigoroso e focado principalmente na questão ética da política. “Vou mostrar que sou ficha limpa e quero fazer uma nova política”.

Coronel David (PSC) afirma que usará o debate para transmitir aos eleitores suas propostas, sem ataques aos rivais. “Acredito que a situação ainda está indefinida e o público ainda não escolheu o candidato. Os debates podem servir para mudar o cenário”, disse.

Elizeu Amarilha (PSDC) disse que por ter pouco tempo de televisão, aproveita esse tipo de evento para mostrar as propostas dele e vou focar em projetos e propostas para os jovens e adolescentes. “Acredito que eles são o futuro da política”, diz.

Lauro Davi disse que “esse tempo igual para os 15 já é algo que considero justo e acredita que todos vão apresentar as propostas e os confrontos mesmo devem ficar para aqueles que disputam uma vaga no segundo turno”

Marcelo Bluma (PV) disse que os quatro blocos serão necessários para passar a mensagem que ele quer aos eleitores de Campo Grande. “Voto consolidado, quando a pessoa tem certeza, pouca gente já definiu. Por isso esses debates serão importantes para conquistar os indecisos”.

Marquinhos Trad (PSD) disse que está tranquilo para o debate da mesma forma como em toda a campanha, pois “conheço a realidade da cidade e os diversos problemas que eu terei que resolver”.

Rose Modesto (PSDB) disse que o debate é uma ótima oportunidade de mostrar os projetos que tem para a cidade e ressaltou que existe um desgaste grande na política, com muitas pessoas sem interesse em acompanhar. “Essa é uma semana decisiva para conquistar essas pessoas”.

Reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, diz Meirelles
A reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, de acordo com o ministro da Fazenda Henrique Meirelles. A declaração foi dada na noite de...
Quanto mais reforma demorar, mais dura será correção, diz ministro
Caso o governo não consiga aprovar a reforma da Previdência ainda este ano, conseguirá em 2018, disse hoje (11) o ministro do Planejamento, Dyogo Oli...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions