A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

12/03/2012 16:36

Delcídio diz que agenda não coincide e nega desentendimento com Puccinelli

Wendell Reis

Senador ressalta que apoios trazem ônus e bônus, mas nega desentendimentos

Senador alega que o Estado é mais importante do que possíveis desentendimentos(Foto: Wendell Reis)Senador alega que o Estado é mais importante do que possíveis desentendimentos(Foto: Wendell Reis)

O senador Delcídio Amaral (PT) assegurou ao Campo Grande News que não está brigado como o governador André Puccinelli (PMDB), após a polêmica troca no comando da Funasa (Fundação Nacional de Saúde), quando Pedro Teruel (PT) ocupou a vaga depois que Flávio Britto, indicado pelo PMDB, foi exonerado.

Delcídio afirma que não encontrou com o governador para discutir política. Entretanto, ressalta que os fatos ocorridos são normais no processo político. “Não pode virar motivo para haver desentendimento ou atitude que prejudique o Estado ou a população. Tem que separar muito bem”.

O senador admite que houve um certo desconforto com a indicação de Teruel, mas avalia a situação como tranquila: “É normal que as comissões federais venham a ser ocupadas pelo PT e seus aliados. Não é lógico achar que seria diferente”.

Delcídio explica que o próprio apoio de Puccinelli a Edson Giroto (PMDB), e o seu a Vander Loubet (PT), na disputa pela Prefeitura de Campo Grande, acaba criando um clima diferente. “Apoiar alguém assume ônus e bônus. Mas, encaro com naturalidade. O Estado é mais importante e isso independe das pessoas”.

Ao ser indagado sobre a possibilidade destes fatos derrubarem alianças futuras entre PMDB e PT, principalmente em 2014, Delcídio diz que “o futuro a Deus pertence” e que estamos a três anos da eleição para governador, com uma eleição duríssima para escolhas de prefeitos.

O desconforto entre os dois partidos teve um segundo capítulo na indicação do superintendente do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes). O diretor-presidente do Dnit, Jorge Fraxe, pensou em indicar José Luiz Vianna para assumir a superintendência do órgão no Estado. Porém, a indicação ficou suspensa após reclamações da bancada do PT.

Os petistas procuraram Fraxe para dizer que Vianna se reuniu com o governador e sua bancada, o que indicaria aproximação política, e pediu a suspensão da indicação. Puccinelli negou o encontro. Com a confusão armada, Fraxe declarou que levaria o caso para o ministro do Transporte, Paulo Sérgio Passos.

A cúpula do Dnit foi punida com demissão em processo administrativo disciplinar no dia 2 de janeiro. Na ocasião, foram demitidos o superintendente, Marcelo Miranda, o chefe do Serviço de Engenharia, Guilherme Alcântara de Carvalho, e Carlos Roberto Milhorim, chefe do Dnit em Dourados. O Dnit está sob o comando interino do engenheiro Antônio Carlos Nogueira.

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions