A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

25/03/2015 17:06

Diante de repercussão ruim, filhos de deputado pedem desligamento do TCE

Ângela Kempfer

Felipe Nunes e Caroline Rosa, filhos do deputado estadual Rinaldo Modesto (PSDB), devem ser desligados do TCE (Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul). A nomeação dos dois provocou questionamentos na Câmara de Vereadores e na Assembleia Legislativa e hoje o pai parlamentar divulgou nota anunciando que já pediu o desligamento de ambos.

Felipe é relações públicas e Caroline tem formação em Direito. O filho de Rinaldo foi contratado em 13 de fevereiro para “assessoria em contratos de obras oriundos de convênios”, com salário de 12 mil reais. Já Caroline está oficialmente no TCE desde 5 de março e receberia R$ 4.381,65 pela função de assessora de gabinete.

Em nota divulgada há pouco, Rinaldo nega qualquer ilegalidade. Alega se tratar de um contrato provisório, no caso de Felipe, e garante que não teve qualquer envolvimento na negociação. “Se tratou de uma contratação, pelo prazo determinado de 90 dias, contratação essa de iniciativa do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul, na qual não tive responsabilidade alguma”, garante.

O deputado defende a competência do Felipe para o cargo. “Ainda que seja meu filho, é maior de idade, que, portanto, responde pelos seus atos e tem total competência para o desempenho da atividade para a qual foi contratado”.

Sobre Caroline, ele afirma que a filha já havia prestado serviços ao TCE, de forma indireta, e por isso foi contratada agora para integrar o quadro de pessoal. “Já vinha prestando serviços para uma instituição contratada pelo Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul, desde 2012, e que com o término do contrato a mesma foi convidada para exercer a mesma função junto ao Gabinete do Conselheiro Ronaldo Chadid, o que, também, não incorreu em nenhuma ilegalidade”, comenta.

Leia a nota na íntegra:

Em vista dos fatos noticiados recentemente na imprensa, que envolvem a contratação, pelo Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul, do meu filho Felipe Nunes Modesto de Oliveira, para prestar, temporariamente, serviços de prestação de serviços de assessoria em contratos oriundos de convênios e de minha filha Caroline Danielle Macena de Oliveira Rosa, que foi nomeada para ocupar o cargo de Assessor de Gabinete II, venho a público, em respeito, sobretudo, aqueles que confiaram seu voto em minha pessoa, como seu representante junto a Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul, prestar os seguintes esclarecimentos.

Com relação ao meu filho Felipe Nunes Modesto de Oliveira, cumpre dizer que se tratou de uma contratação, pelo prazo determinado de 90 dias, contratação essa de iniciativa do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul, na qual não tive responsabilidade alguma, ressaltando que a pessoa Felipe Nunes Modesto de Oliveira, ainda que seja meu filho, é maior de idade, que, portanto, responde pelos seus atos e tem total competência para o desempenho da atividade para a qual foi contratado.

Assim, não se tratou de contratação para a ocupação de cargo público, mas para a prestação de serviço certo, por prazo certo e determinado, o que não incorreu em nenhuma ilegalidade.

Com relação a minha filha Caroline Danielle Macena de Oliveira Rosa, a mesma, que tem formação na área do direito, já vinha prestando serviços para uma instituição contratada pelo Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul, desde 2012, e que com o término do contrato a mesma foi convidada para exercer a mesma função junto ao Gabinete do Conselheiro Ronaldo Chadid, o que, também, não incorreu em nenhuma ilegalidade.

Diante dos fatos, após ter reunido com minha família, eu, DEPUTADO ESTADUAL RINALDO MODESTO, solicitei a presidência da corte do tribunal de contas imediata rescisão do contrato de trabalho da qual vincula a prestação de serviço do meu filho FELIPE NUNES MODESTO DE OLIVEIRA, bem como a exoneração da minha filha, CAROLINE DANIELLE MACENA DE OLIVEIRA ROSA.

Aproveito o ensejo para reiterar meu compromisso como homem público de preservar a ética, o respeito e o bom trato com a coisa pública.

Campo Grande, 25 de março de 2015.

 

Assembleia recebe prestação de contas e fará limpeza de pauta antes do recesso
A última semana de trabalho do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul em 2017 será aberta com a audiência pública para prestação de contas do govern...
Assembleia vota prorrogação de adesão a fundo que regula incentivos fiscais
A prorrogação até 30 de dezembro do prazo para que empresas beneficiadas com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado se inscrevam no Fad...


É isso aí! Vão estudar pra prestar concurso público como o resto dos mortais. São jovens, inteligentes e bastante competentes, não são?! Então, bons estudos!
 
GlauciaC em 26/03/2015 13:20:30
ISSO É BRASIL, NUNCA VAI ACABAR SÓ TEM CORRUPTOS, TAL PAI TAL FILHOS.
 
japa em 26/03/2015 09:18:28
Isso não muda em nada, continua sendo desleal com a população.

Só retrocedeu porque a repercussão foi grande.

Guardem bem o nome dessa figura para que no futuro não se eleja nem a fiscal de quarteirão.
 
Luciano Bandeira em 26/03/2015 08:09:08
Entenderam o que é Nepotismo Cruzado agora?
 
Amanda em 25/03/2015 17:51:29
É irrelevante discutir nesse caso se as pessoas são competentes e se as nomeações são ilegais ou não. O fato é que tais nomeações são ODIOSAMENTE IMORAIS! Quer dizer que a população elege o sujeito e no outro dia ele se lambuza, vai com sede ao pote e coloca seus filhos nesse órgão - que pública e notoriamente -, é um verdadeiro ninho de apadrinhados e "pega leve" na fiscalização de contas dos padrinhos. O povo está de parabéns por ter "botado a boca no trombone". Não precisamos dos "milicos" para ajeitar o país, basta que o POVO BOTE A BOCA NO TROMBONE! Viram como deu resultado? Esse deputado já está fora da minha lista para qualquer cargo eletivo/público. Esse deputado é mal-intencionado. Vão tentar um concurso, como todos os pobres contribuintes normais fazem!
 
Hugo Alves em 25/03/2015 17:51:21
Deixaram de trabalhar no TCE, mas o salario deles continua, e Brasil!
 
wild em 25/03/2015 17:47:00
Certamente uma cortina de fumaça. Daqui uns dias deverão ser "agraciados" com alguma coisa melhor! Quem viver verá...
 
EDSON TROMBINE LEITE em 25/03/2015 17:37:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions