A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

22/10/2014 17:06

Efeito de feriadão na eleição causa polêmica e divide prefeitos em MS

Lidiane Kober, Aline dos Santos e Hélio de Freitas
Prefeitura da Capital não deve emendar feriadão (Foto: Marcos Ermínio)Prefeitura da Capital não deve emendar feriadão (Foto: Marcos Ermínio)

Os efeitos do feriadão de quatro dias na eleição do próximo domingo (26) vem causando polêmica, principalmente nos bastidores políticos, e dividem prefeitos sul-mato-grossenses. Para uns, preocupa a possibilidade de muitos servidores públicos aproveitarem a única folga prolongada do semestre para viajar e aumentar o índice de 20,53% de abstenção, registrado no primeiro turno.

No início desta semana, o governador André Puccinelli (PMDB) decretou ponto facultativo na próxima segunda-feira (27) e alongou para quatro dias a folga do feriado do Dia do Servidor Público, comemorado na terça (28). A decisão foi copiada pelo TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), pela Assembleia Legislativa e por algumas prefeituras.

O rumo dos prefeitos, inclusive, seria motivo de empenho de postulante ao cargo de governador. Nos bastidores políticos, circula informação de que um dos candidatos estaria apelando a aliados para não repetir a decisão do governador por temer menos gente nas urnas. A proposta defendida é reproduzir decisão do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) e do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que transferiram o feriado para sexta-feira (31).

Presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), o prefeito de Anastácio, Douglas Figueiredo (sem partido), informou que a tendência natural é seguir a decisão de Puccinelli. “A nossa orientação é acompanhar o governo estadual, porque a prefeitura fica com as portas abertas e o Estado com as portas fechadas e gera um descompasso”, justificou.

Questionado sobre os reflexos da decisão nas urnas, ele reconheceu a possibilidade de aumentar o número de faltosos. “Infelizmente, pode contribuir com eventual abstenção. Por esse prisma, nos preocupa, mas cada prefeito toma a sua decisão”, avaliou. “Em Anastácio, acredito que a maioria fique no município, que tem recursos pesqueiros, ou faça deslocamentos para cidade próximas”, completou.

Quarto maior colégio eleitoral do Estado, Corumbá é outro município que optou pelo feriadão de quatro dias. “Estávamos aguardando o Estado, que se definiu e vamos fazer também”, informou o prefeito Paulo Duarte (PT).

Para o petista, “já ouve abstenção no segundo turno sem que houvesse nenhum feriado”. Ele porém, também reconhece a chance de o índice crescer. “Pode ter impacto nas classes mais altas. Para o trabalhador de forma geral, acho que não, porque é fim de mês”, emendou. Só em Corumbá, são quatro mil funcionários públicos municipais.

Por outro lado, os dois maiores colégios eleitorais do Estado, Campo Grande e Dourados, decidiram não emendar o feriadão. Na edição de hoje do Diário do Município de Dourados, saiu decreto transferindo do dia 28 para o dia 31 de outubro o feriado dos servidores públicos.

Titular da Secretaria Municipal de Governo e Relações Institucionais de Campo Grande, Rodrigo Pimentel adiantou ao Campo Grande News decisão do prefeito Gilmar Olarte (PP) de não emendar a folga. “Hoje pela manhã, o prefeito disse que não irá emendar, mas ainda não decidimos se o feriado será terça ou sexta”, relatou.

Abstenção - No dia 5 de outubro, primeiro turno das eleições gerais, quase 30% (29,1%) dos eleitorado sul-mato-grossense não votou, ou seja, mais de 500 mil pessoas aptas a exercer o voto não o fizeram. A maior parcela, 20,53% não compareceu aos locais de votação, outros 8,48% preferiram votar em branco ou anularam seu direito na urna eletrônica.

“As eleições de 2º turno tem, de maneira geral, uma abstenção maior, na casa dos 5% em relação ao 1º turno. Mas, não acredito que por conta do feriado esse percentual seja alarmante”, pondera o cientista política Tito Machado. Só o Governo do Estado, conta com 66 mil servidores.

O candidato do PT ao Governo do Estado, senador Delcídio do Amaral (PT), revelou que já começou um trabalho, durante a propaganda eleitoral gratuita, para incentivar o eleitor a comparecer às urnas.

“Vamos fazer um esforço grande para motivar, e tentar diminuir abstenções, nulos e brancos. Chegamos a 30%, é muito. Não podemos obrigar ninguém a fazer as coisas. Isso aconteceu, se não me engano em 2008, em uma eleição no Rio de Janeiro. O Sérgio Cabral (então governador) deu ponto facultativo e ganhou o Eduardo Paes (candidato à época e hoje prefeito), ele ia disputar contra o Gabeira (ex-deputado Fernando Gabeira), candidato da zona sul, do pessoal mais elitizado, que viajou no feriado. Ganhou o Paes”, lembrou Delcídio.

Representante do PSDB na disputa, Reinaldo Azambuja está em dúvida quanto aos reflexos do feriadão na eleição. “Acho que essa abstenção do primeiro turno, 20% de abstenção e 10% de brancos e nulos, são pessoas que não acreditam na politica, estão decepcionados e deixaram de votar", analisou. "O feriado, pode atrapalhar, mas cada um tem seu dever cívico, por isso, acho que não será fator determinante. O que nos preocupa é esse número de 30%”, concluiu o candidato.

Governo decreta ponto facultativo e servidor terá feriadão de quatro dias
Em função do dia do servidor público, que é comemorado em 28 de outubro, o Governo estadual decretou ponto facultativo na próxima segunda (27) e terç...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


Isso mostra que 500 mil pessoas não estão nem aí pras eleições!
 
CyroChan em 23/10/2014 11:07:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions