A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

02/03/2012 16:45

Escolha de Giroto define polos da disputa pela prefeitura da Capital

Wendell Reis

Vander Loubet, do PT, e Reinaldo Azambuja, do PSDB, completam o trio dos que devem disputar a eleições pelos maiores grupos políticos

Giroto será anunciado como pré-candidato do PMDB na segunda-feira (Foto: Wendell Reis)Giroto será anunciado como pré-candidato do PMDB na segunda-feira (Foto: Wendell Reis)

O anúncio do nome do candidato do PMDB para a eleição em 2012, com a oficialização do deputado federal Edson Giroto, a ser carimbada na segunda-feira, define os rumos da campanha política em Campo Grande. Giroto se juntada aos também deputados federais Vander Loubet (PT) e Reinaldo Azambuja (PSDB), como polos da disputa deste ano pelos maiores grupos políticos.

A aposta no meio político é de outra disputa acirrada entre o PT de Vander, que tem o apoio do Governo Federal, e o PMDB de Giroto, com as bênçãos do governador André Puccinelli (PMDB) e do prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB). Este ano, porém, o embate tem uma terceira força, tucana, o que pode mudar uma escrita política que vem desde 1996.

PT e PMDB são rivais históricos na disputa pela prefeitura de Campo Grande desde aquele ano, quando Puccinelli derrotou, por menos de 500 votos de diferença, Zeca do PT. A época a eleição foi contestada e deu início a uma rivalidade que nunca foi cessada entre os dois partidos.

Após a eleição de 1996, Puccinelli e Trad venceram facilmente as eleições seguintes, com candidatura do próprio Vander, que já perdeu a eleição para prefeito para Trad. A justificativa do PT para insistir em Vander é de que a eleição apresenta um novo cenário, sem nomes já consagrados.

O PMDB, por sua vez, tem em Giroto a continuidade do trabalho de Puccinelli e Trad. Giroto e Puccinelli se conheceram em Paraníba no ano de 1988, durante uma edição do governo itinerante na gestão de Marcelo Miranda. Na ocasião, os dois se tornaram grandes amigos, o que resultou no trabalho do deputado na coordenação de campanha de Puccinelli em 1996.

A eleição de Puccinelli, na emblemática disputa com Zeca, levou Giroto à secretária de Obras de Campo Grande por oito anos, na administração de Puccinelli, e dois anos com Trad à frente da Prefeitura. Durante o trabalho, Giroto inaugurou 805 obras, o que diz ter lhe feito conhecer todo o município de Campo Grande.

Disputa entre aliados - Neste ano, um fato novo é o PSDB com candidato próprio. O partido, que sempre esteve ao lado do PMDB no embate com o PT, agora se lança como uma nova via, com a pré-candidatura de Reinaldo Azambuja.

O deputado federal, que já foi prefeito de Maracaju por oito anos, aposta na boa aceitação do partido na Capital e no interesse de quem deseja fugir da tradicional rivalidade entre PT e o PMDB no Estado. Ele tem, ainda, um histórico de "bom de voto". Na eleição para deputado federal, perdeu apenas para Giroto em número de votos.

O fato curioso nesta eleição entre PT, PMDB e PSDB é o fato do trio de pré-candidatos atuarem em Brasília. O trabalho na Câmara Federal, representando a bancada do Estado, aproximou os candidatos, o que pode garantir um debate de ideias, longe das ofensas identificadas em outros debates na Capital e no Estado.

O PPS também ameaça concorrer fora do seu grupo político. O partido aposta na candidatura do vereador Athayde Nery (PPS) para participar do debate e evitar que “se repita o que ocorreu na eleição passada, para governador, quando a campanha se concentrou em ataques pessoais e não em projetos”.

Indefinição - A eleição de 2012 também apresenta as candidaturas do deputado estadual Alcides Bernal (PP) e do ex-deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT). Bernal afirma que será candidato e chegou a apresentar um vídeo com o presidente nacional do PP, Francisco Dornelles, dizendo que ele será um bom prefeito.

Porém, o deputado ainda vive em conflito interno com o presidente do PP em Campo Grande, Paulo Matos, que também quer ser candidato e diz que o partido não pode lançar candidatura sem estrutura, mesmo que pesquisas apontem uma alta popularidade. Para justificar o pensamento, Matos diz que pesquisa não ganha eleição. Nos bastidores, o caminho traçado para Bernal é compor chapa com o PMDB, como vice de Giroto, formação que o governador André Puccinelli já disse que pode ser boa.

Dagoberto Nogueira, do PDT, também não tem sua candidatura oficializada. O ex-deputado declarou que deseja ser candidato, mas avalia que o partido não pode lançar candidatura sem estrutura. Para resolver o problema, Dagoberto sugeriu uma pesquisa entre candidatos da oposição, o que foi rejeitado pelo PT.

Assim, o PDT ainda se reunirá para decidir o que fazer. Nesta indefinição, não está descartada a possibilidade do partido apoiar o PMDB, o que é defendido pelo vereador presidente municipal do partido, vereador Paulo Pedra.

Reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, diz Meirelles
A reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, de acordo com o ministro da Fazenda Henrique Meirelles. A declaração foi dada na noite de...
Quanto mais reforma demorar, mais dura será correção, diz ministro
Caso o governo não consiga aprovar a reforma da Previdência ainda este ano, conseguirá em 2018, disse hoje (11) o ministro do Planejamento, Dyogo Oli...


Giroto com certeza é a melhor opção para que Campo Grande e futuramente o Estado do Mato Grosso do Sul se torne uma referencia para o País de, Crescimento e Desenvolvimento.
 
Edymar Mamede em 03/03/2012 12:42:46
Sou membro do PHS mas apoiarei sem dúvidas a candidatura de Giroto.
 
João Luiz em 02/03/2012 11:38:37
Alguém tinha dúvida...
 
Tony Ferraz em 02/03/2012 09:39:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions