A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

03/03/2012 12:39

Geraldo diz que não há rompimento, mas PT e PMDB devem conversar

Wendell Reis
Deputado critica a Hegemonia do PT para conquistar o poder(Foto: João Garrigó)Deputado critica a Hegemonia do PT para conquistar o poder(Foto: João Garrigó)

O deputado federal Geraldo Resende (PMDB) declarou que as assinaturas de 45 deputados do PMDB, incluindo de Mato Grosso do Sul, em um manifesto contra a falta de espaço do partido no governo da presidente Dilma Rousseff (PT) são para demonstrar insatisfação. Entretanto, analisa que muitas pessoas estão dando uma dimensão maior ao fato.

Resende explica que as assinaturas protestam contra a relação de hegemonia do PT e falta de diálogo. Porém, garante que não há um rompimento, embora o partido pretenda reunir assinaturas de 77 deputados.

Geraldo alega que a hegemonia é criada para conquista de espaço nas prefeituras e influencia, diretamente. Ele cita como exemplo a Funasa (Fundação Nacional de Saúde), onde o PT de Mato Grosso do Sul tirou Flávio Britto e colocou Pedro Teruel, do PT.

Resende reclama que o PMDB não é tratado como aliado e é preciso uma discussão. Ele compara a situação a de um casal que em algum momento tem que parar para discutir a relação. O deputado quer que seu partido participe com o mesmo poder do PT, afirmando que o PMDB ocupa hoje ministérios pequenos e que muitas vezes sofre ingerência .

Geraldo Resende afirma que teme esta tentativa de hegemonia do PT, comparando a situação ao partido mexicano PRI, que manteve uma hegemonia de 60 anos no poder. Segundo o deputado, a insatisfação não é apenas do PMDB e inclui aliados do PSB e até do PDT.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions