A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Agosto de 2017

08/01/2016 08:33

MPE suspende férias de promotor para finalizar trabalhos da Coffee Break

Mayara Bueno
Marcos Alex, coordenador do Gaeco, teria férias até 16 de janeiro. (Foto: Arquivo)Marcos Alex, coordenador do Gaeco, teria férias até 16 de janeiro. (Foto: Arquivo)

O MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) resolveu suspender as férias do coordenador do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), o promotor Marcos Alex Vera, para finalizar os trabalhos referentes a Coffee Break. A investigação apura se houve esquema de compra de votos na cassação do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), em março de 2014.

A revogação foi publicada no Diário oficial do Ministério Público, desta sexta-feira (8). De acordo com o documento, ficou sem efeito a Portaria nº 2875/2015, de 18 de dezembro de 2015, que concedia férias de 7 a 16 de janeiro de 2016. O promotor, que já voltou a atuar, nesta sexta-feira, assim como os demais servidores, estavam em recesso.

Ainda segundo o Ministério Público, atos de revogações de férias como este são comuns, em virtude da necessidade de concluir determinados trabalhos investigatórios, como é o caso da Coffe Break. 

Em dezembro passado, especulações, depois confirmadas, davam conta de que o promotor deixaria o cargo de coordenador do Gaeco, o que fez o MPE convocar uma coletiva para explicar a situação. A informação era de o procurador-geral de Justiça, Humberto Brites, teria dito que o promotor agiu de forma irresponsável e Marcos Alex teria reagido com xingamento. 

Na ocasião da entrevista coletiva, realizada na sede do MPE, o procurador-geral em exercício, Paulo Cezar Passos, disse que Marcos Alex deixaria a coordenação depois da finalização e entrega da investigação a justiça, que deve ocorrer em até 60 dias, afirmou, na época. 

O relatório da Coffee Break, que aponta envolvimento de dois ex-prefeitos, empresários e 13 vereadores na suposta compra de votos, foi entregue em dezembro de 2015 e está nas mãos do procurador-geral, Humberto BrittesEste, por sua vez, com mais quatro promotores, serão responsáveis por analisar o documento de 245 páginas, decidir por mais diligências, pela entrega a justiça ou, ainda, pelo arquivamento.

Cafezinho – A operação Coffee Break foi deflagrada em 25 de agosto e resultou, de imediato, no afastamento do então prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), e do ex-presidente da Câmara Municipal, vereador Mario Cesar (PMDB). A operação, que ainda deteve empresários e vereadores, surgiu após a imprensa divulgar gravações da ação da Polícia Federal. Lá, a senha para a propina seria a expressão “tomar um cafezinho”.

Os áudios sinalizam a interferência do empresário João Amorim, dono da Proteco Construções Ltda e apontado como líder do esquema, na votação em que os vereadores cassaram Bernal.

 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions