A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

31/07/2015 12:01

MS recebeu três ministros em eventos e visitas em apenas uma semana

Leonardo Rocha
Aldo Rebelo fez a defesa do Governo em visita a Campo Grande, tanto na área econômica, quanto política (Foto: Marcos Ermínio)Aldo Rebelo fez a defesa do Governo em visita a Campo Grande, tanto na área econômica, quanto política (Foto: Marcos Ermínio)
Ministro Jaques Wagner esteve em Corumbá, onde garantiu maior fiscalização na área de fronteira (Foto: Marcos Boaventura - Assessoria)Ministro Jaques Wagner esteve em Corumbá, onde garantiu maior fiscalização na área de fronteira (Foto: Marcos Boaventura - Assessoria)
Ministra Nilma Lino Gomes ficou dois dias em Campo Grande para firmar parcerias, MS é o quinto estado a visitar (Foto: Marcos Ermínio)Ministra Nilma Lino Gomes ficou dois dias em Campo Grande para firmar parcerias, MS é o quinto estado a visitar (Foto: Marcos Ermínio)

Três ministros estiveram em Mato Grossodo Sul nesta semana para divulgar projetos, conversar com prefeitos, instituições e governo estadual sobre liberação de recursos, assim como assinar convênios e parcerias em programas de diferentes áreas. Nestas oportunidades aproveitam para falar sobre os rumos do Governo e também fazer uma defesa sobre a situação econômica.

Além de ter os ministros nos estados e prefeituras conversando com os gestores públicos, a presidente Dilma Rousseff (PT) também usou como estratégia, uma reunião com os 27 governadores em Brasília, que ocorreu ontem (30), sem a participação de Reinaldo Azambuja (PSDB), que enviou em seu lugar a vice-governadora, Rose Modesto.

Com o Congresso Nacional sem sintonia com o Palácio do Planalto, resta a União promover ações diretas com as prefeituras e governos estaduais, para anunciar seus projetos, melhorar a relação com os gestores e conseguir apoio para os “ajustes” econômicos que defende neste ano. Junto com estes pedidos, também recebem as reivindicações, pois se exige uma contrapartida.

Visitas – A primeira ministra a desembarcar no Estado foi Nilma Lino Gomes, que atende a pasta de Promoção da Igualdade Racial. Ela já visitou neste quatro estados, sendo Mato Grosso do Sul o quinto. A sua primeira agenda foi na segunda-feira (27), para assinatura de adesão do Estado e dos municípios de Bataguassu e Corumbá ao Sistema Nacional do seu Ministério.

Por esta ferramenta, divulgou que o governo vai disponibilizar R$ 4,5 milhões em projetos para área em todo país, restando a cada Estado buscar no máximo o valor de R$ 1,2 milhão. Ela aproveitou para visitar universidades, esteve na Comunidade Tia Eva e estendeu sua permanência por dois dias, onde ainda teve agenda com a prefeitura de Campo Grande e MPE (Ministério Público Estadual).

O segundo a chegar ao Estado foi o ministro da Defesa, Jaques Wagner, que fez questão de visitar, em Corumbá, na quarta-feira (29), as ações do Exército Brasileiro na Operação Ágata 9, quando aproveitou para falar sobre a integração das forças militares, nas ações da fronteira.

Ele ainda citou que o Sinfron (Sistema Integrado de Fronteira), se trata de uma ação mais definitiva para proteger a região, enfatizando que hoje se tem tecnologia para combater o tráfico de armas e drogas, garantindo que o governo federal está ampliando a fiscalização no local.

O último a desembarcar foi o ministro de Ciência e Tecnologia, Aldo Rebelo, que veio participar do Fórum estadual que tratava sobre o tema e assinar a contratação de 95 projetos de pesquisa e inovação, no valor de R$ 10,5 milhões, em parceria com o governo estadual.

O ministro não deixou de fazer a defesa do Governo, dizendo que estamos em um momento de “ajustes” e que a intenção é voltar ao crescimento da economia em 2016. Ele até falou sobre a crise política, ao lembrar que esta disputa sempre foi complicada, desde a época da independência e criação da República. Aldo no entanto deixou o recado, dizendo que se deve respeitar as regras e os mandatos dos governantes.

Estratégia – Para o cientista político Eron Brum, esta estratégia do governo só pode funcionar se estes encontros e visitas não tiverem apenas seu foco político, mas tragam projetos, programas e investimentos concretos. “Acreditava que a Dilma iria apresentar um plano de ação aos governadores, mas não teve nada de efetivo na reunião em Brasília”.

O professor ressaltou que se não for desta forma será uma ação política de “péssimo gosto” e que tem a intenção de amenizar as futuras manifestações contra a presidente, entre elas a do dia 16 de agosto. “Sabemos que a presidente está isolada no Congresso Nacional, tem meia porta aberta no PMDB, mas precisa fazer agendas importantes nos estados, com soluções para resolver problemas que estão em pauta”.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions