ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  20    CAMPO GRANDE 13º

Política

Oposição quer CPI para apurar suposta funcionária fantasma em Água Clara

Uma das denúncias aponta uso de servidora pública para serviços particulares na casa da prefeita

Por Nyelder Rodrigues | 17/05/2021 15:30
Gerolina foi vereadora e denunciante de caso de corrupção que rendeu prisão de colega (Foto: Reprodução/Arquivo)
Gerolina foi vereadora e denunciante de caso de corrupção que rendeu prisão de colega (Foto: Reprodução/Arquivo)

Após o vereador Alfredo Alexandrino (PSB) denunciar uma suposta funcionária fantasma na Secretaria Municipal de Assistência Social de Água Clara - cidade localizada a 195 km de Campo Grande -, a Câmara local deve receber nesta segunda-feira (17) um pedido de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar a situação.

A sessão deve começar por volta das 17h e, segundo Alfredo, ele possui dezenas de vídeos, documentos, portarias municipais e até holerite a apresentar no trabalho de investigação, caso ele seja de fato aberto pelos demais vereadores.

Recentemente, Alfredo, que faz parte da oposição, fez diversas denúncias sobre contratações irregulares e chegou a solicitar acesso a folha de ponto da algumas pastas, como a Secretaria de Esportes, mas não conseguiu a permissão.

A última denúncia feita por ele foi a que chamou mais a atenção e se refere a uma suposta contratação por três meses de uma funcionária particular da prefeita Gerolina Alves (PSD) como servidora da secretaria de Assistência Social, sem que fosse ao local trabalhar regularmente, e sim a casa da prefeita.

No vídeo postado por ele na própria página pessoal do Facebook, ele expõe a situação e mostra a funcionária em vários dias no mês de março passando em frente à secretaria e não entrando, seguindo até a casa da prefeita, onde seria doméstica.

"Ficamos sabendo em fevereiro e fomos investigar. Após a denúncia, a funcionária foi exonerada", explica Alfredo à reportagem. Conforme pode ser confirmado no site da Transparência da prefeitura de Água Clara, a funcionária, Nilza Candida, foi registrada pelo Poder Público como auxiliar de serviços gerais.

A contratação durou de 13 de janeiro deste ano até 29 de março. Nesse período, a prefeitura pagou R$ 3.447,99 para Nilza em rendimento bruto - mensalmente, a funcionária recebeu em remunerações líquidas os valores de R$ 610,50 referente a janeiro, R$ 1.017,50 em fevereiro e R$ 1.684,38 em março.

A reportagem tentou contato com os envolvidos apontados. O contato de Nilza não foi encontrado, enquanto as ligações feitas à prefeita Gerolina Alves não foram atendidas até o fechamento da matéria, assim como as chamadas à prefeitura. O espaço permanece aberto para manifestação de ambas as partes.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário