ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 26º

Política

Procurador diz que "não existe contrato" de Bernal com Júlio Cesar

Zemil Rocha | 23/10/2013 16:34
Júlio Cesar vive crise na OAB por causa da tratativa de contrato com Bernal (Foto: Cleber Gellio)
Júlio Cesar vive crise na OAB por causa da tratativa de contrato com Bernal (Foto: Cleber Gellio)

O procurador-geral do Município, Denir Nantes, informou esta tarde que não existe contrato entre a Prefeitura de Campo Grande e o advogado Júlio Cesar Rodrigues Souza, presidente da seccional sul-mato-grossense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MS), para tentativa judicial de aumentar o índice da Capital no bolo do ICMS. “O contrato nem chegou a ser assinado. A Prefeitura não pagou nada. Está tudo em fase de análise. Não chegou a ser firmado o contrato. Só teve uma proposta”, informou Nantes. "Não existe contrato", emendou.

As providencias preliminares despertaram suspeitas. Especialmente a rapidez como o prefeito Alcides Bernal (PP) abriu o procedimento visando a contratação. No prazo de 24 horas estava tudo providenciado, com possibilidade de o contrato ser firmado ermergencialmente e com dispensa de licitação. Todo o processo de abertura de nota de empenho, justificativa para dispensar a licitação e consulta ao advogado para a prestação do serviço aconteceu entre os dias 31 de julho e 1º de agosto deste ano. No começo de outubro, a imprensa denunciou o esquema, que não foi contestado, na ocasião, por Bernal nem por Júlio Cesar.

Além da rapidez da contratação, chamou atenção o fato de que apesar de não ser especialista em direito tributário, o presidente da OAB-MS, Júlio Cesar, foi contratado por Bernal para entrar com ações na Justiça buscando elevar o índice de ICMS do município de Campo Grande. A “notória especialização”, disciplinada pela Lei 8.666, para a inexigibilidade de licitação não estaria contemplada. Pelo trabalho, Júlio Cesar iria receber R$ 11,2 mil mensais e ainda poderia ganhar milhões caso tenha êxito nas ações contra o Governo do Estado, visto que terá direito a 15% de cada 0,0001 de acréscimo no índice do ICMS por 12 meses em 2014.

Outro fator que provocou manifestações contrárias da oposição a Júlio Cesar na OAB-MS e, posteriormente, até mesmo o rompimento da maioria da diretoria da entidade e de ex-apoiadores, foi o aspecto do comprometimento do dirigente para poder julgar com isenção processos éticos contra Bernal, que também é advogado. Bernal está sendo processado por problema ético em relação ao serviços que prestou para a ex-catadora de lixo Dilá de Souza.

Na atual conjuntura de crise, porém, a Prefeitura de Campo Grande afirma que o contrato ainda está em fase de “análise”, que não foi firmado por Bernal ou Júlio Cesar. “Pode vir a ser assinado se não for constatada ilegalidade, mas está sob análise da Procuradoria Geral do Município. Depois do parecer é que o prefeito vai decidir se contrata ou não”, informou Denir Nantes. “Também tem parecer do Tribunal de Contas que estamos esperando”, acrescentou.

Esse evidente recuo da administração municipal, após a denúncia sobre o contrato, pode ser constatada no começo desta semana na própria sede da OAB-MS. Antes do rompimento, dirigentes da OAB conversaram com Júlio Cesar e ele admitiu que iria rescindir o contrato. “Júlio Cesar falou para nós no começo da semana que iria rescindir o contrato”, contou Jully Eyder, secretário adjunto da OAB-MS.

Aliás, na carta dos atuais diretores da OAB-MS e ex-presidentes da entidade, assinada por mais de 100 advogados, entre os quais 20 dos 32 conselheiros, é apontado que Júlio Cesar firmou o contrato e os questionamentos são quanto a questões legais e morais do ajuste. Há até um questionamento se Júlio ficaria com R$ 3 milhões caso conseguisse aumentar o índice de ICMS de Campo Grande no ano que vem.

Mesmo o prefeito Alcides Bernal, ao ser questionado pela imprensa, chegou a admitir que tinha "contratado" Júlio Cesar, justificando sua decisão com a alegação de que o presidente da OAB-MS "tem capacidade".

Nos siga no Google Notícias