ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  25    CAMPO GRANDE 25º

Política

Projeto que institui resolução de conflitos em escolas é aprovado na Alems

Objetivo do projeto é criar um ambiente escolar mais pacífico, democrático e respeitoso

Por Jhefferson Gamarra | 29/05/2024 12:28
Alunos da rede estadual de ensino a caminho da escola (Foto: Paulo Francis)
Alunos da rede estadual de ensino a caminho da escola (Foto: Paulo Francis)

Foi aprovado por unanimidade nesta quarta-feira (29), durante a sessão ordinária da Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul), o Projeto de Lei 207/2023, de autoria do deputado estadual Roberto Hashioka (União Brasil), que estabelece diretrizes para a implementação da Política de Resolução de Conflitos nas Escolas Estaduais.

O objetivo do projeto é criar um ambiente escolar mais pacífico, democrático e respeitoso, promovendo a tolerância às diferenças sociais, econômicas, políticas, religiosas e de gênero, além de prevenir todas as formas de violência no ambiente escolar. A mediação escolar, baseada no diálogo e na negociação, será a principal ferramenta de resolução de conflitos.

Autor do projeto, deputado Roberto Hashioka (Foto: Divulgação)
Autor do projeto, deputado Roberto Hashioka (Foto: Divulgação)

“É uma forma de estabelecer diálogo, a paz nas escolas, respeitando as diferenças sociais, econômicas, sexuais, religiosas. É uma forma de colocar resolução de conflitos dentro do ambiente escolar, uma forma de facilitar”, explicou Roberto Hashioka.

A proposta inclui a utilização de métodos autocompositivos, justiça restaurativa e mediação escolar. A Secretaria de Estado de Educação poderá criar o Programa Estadual de Resolução de Conflitos no espaço escolar, que contará com uma Comissão de Gestão para atuar como órgão consultivo e de coordenação, além de Núcleos de Resolução de Conflitos para atendimento direto à comunidade escolar.

O projeto segue agora para análise nas comissões de mérito antes de ser submetido novamente à votação em plenário.

Nos siga no Google Notícias