A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Abril de 2018

18/08/2014 20:01

Projeto que prioriza julgamento de crime de corrupção será votado no Senado

Ludyney Moura
A população já não suporta mais esse tormentoso sentimento de impunidade, destaca deputado (Foto: Divulgação)"A população já não suporta mais esse tormentoso sentimento de impunidade", destaca deputado (Foto: Divulgação)

Um projeto que agiliza a tramitação no Poder Judiciário dos processos penais que tratam de crimes relacionados com corrupção está pronto para ser votado na CCJC (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) do Senado, depois de ser aprovado em maio passado pela Câmara Federal.

A proposta, de autoria do deputado federal Fábio Trad (PMDB), altera o Código Penal e dá prioridade aos processos que tratam dos crimes de peculato, concussão, corrupção passiva e ativa, tráfico de influência, impedimento, perturbação ou fraude de concorrência, crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores e crimes de responsabilidade.

"A população brasileira já não suporta mais a demora para o julgamento (final) desse tipo de crime. Afinal, justiça tardia, na grande maioria das vezes, deixa de ser justiça. É muito comum, com a demora, essa justiça tão almejada ser alcançada, no meio do caminho, pelas danosas consequências jurídicas da prescrição. A população já não suporta mais esse tormentoso sentimento de impunidade”, declarou o parlamentar.

O deputado entende que priorizar o julgamento dos chamados “crimes do colarinho branco”, diminui as chances dos corruptos escaparem da punição em virtude da prescrição do delito, ou seja, o processo leva tanto tempo para ser julgado, que quando é dada a sentença o crime já deixou de existir em razão do tempo decorrido.

Outros dois projetos do peemedebista estão em tramitação no Congresso Nacional. O primeiro orna hediondo o crime de corrupção e escalona penas por crimes contra a administração pública de acordo com a quantidade de dinheiro desviado.

"Com esta tabela tecnicamente preparada a pena é cada vez mais severa de acordo com o grau e a quantidade do desvio do recurso", explicou ele, observando que hoje, no caso do peculato doloso, por exemplo, tanto faz alguém se apropriar de R$ 100 mil ou de R$ 10 milhões, já que pena é a mesma.

O segundo, suspende o prazo prescricional para crimes contra a administração pública. "Esta medida se aplicaria enquanto não for feito o ressarcimento ao erário em todos os casos de sentença condenatória que tenham apurado crimes que impliquem desvio, prejuízo, inadimplemento ou malversação de recursos públicos", finaliza Fábio Trad.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions